Clique aqui e veja as últimas notícias!

NARCOTRAFICANTE

Beira-Mar lava R$ 31 milhões em empresa de Ponta Porã

Narcotraficante foi condenado a mais de 300 anos
15/07/2019 13:05 - EDUARDO PENEDO


 

Mesmo preso na Superintendência da Polícia Federal de Brasília, o narcotraficante Luiz Fernando da Costa, “Fernandinho Beira-mar", comandava a empresa J.E. Exportadora e Importadora – EPP, que era fachada para branqueamento de capitais vinculados ao tráfico de drogas e de armas. A empresa sediada em Ponta Porã movimentou em apenas um ano R$ 31 milhões. Diante disso, a Justiça Federal de Mato Grosso do Sul condenou Beira-Mar a mais sete anos, oito meses e 22 dias de prisão cerca de R$ 70 mil em multa por lavagem de dinheiro. A sentença proferida pelo juiz Bruno Cezar da Cunha Teixeira, da 3ª Vara Federal de Campo Grande, foi publicada na edição desta segunda-feira (15) Diário do Tribunal Regional Federal da 3ª Região (TRF3).  

Segundo consta na sentença, a empresa movimentou dos dias 02/01/2006 a 15/08/2007 R$ 31.001.088,30. A Polícia Federal (PF) constatou que houve 31 depósitos não identificados totalizando os exatos R$ 42.000,00.6. Os bandidos fracionaram os depósitos usando envelopes em caixas de autoatendimento. Foram 25 depósitos no valor de R$ 1,5 mil e dois, de R$ 1 mil. Essas informações foram interceptadas durante conversa por mensagens entre Beira-Mar e seus comparsas. Nas conversas Beira-Mar pede a confirmação dos depósitos via fax. 

A empresa Comercial JE pertenciam a João Espíndola e Marcelino Mendes ambos mortos, sendo que Espíndola morto a tiros de fuzil em Ponta Porã e Mendes foi encontrado morto em Pedro Juan Caballero. A empresa consta como atividade principal a venda de gêneros alimentício. 

De acordo com juiz Bruno Cezar da Cunha Teixeira, Beira-Mar manteve o filho Felipe Alexandre da Costa morando em Pedro Juan Caballero (Paraguai), responsável pela administração da distribuição de dinheiro da quadrilha. A família usaria a empresa Comercial J.E. Exportadora e Importadora para lavagem de capitais. Lembrando que desde 2017 Costa cumpre pena da Penitenciaria Federal de Porto Velho, em Rondônia.  

As investigações começaram em 2006, quando Fernandinho Beira-Mar teria se utilizado de celulares para enviar mensagens a números de Mato Grosso do Sul. Beira-Mar e seus comparsas para tentar despistar a Polícia Federal nas interceptações telefônicas mudavam com frequência o chip do telefone com isso fazendo com que a PF perdesse o monitoramento.  

O advogado que defende Beira-Mar, Luiz Gustavo Bataglin Maciel, tentou desqualificar os argumentos do Ministério Público Federal (MPF) dizendo que o então juiz federal Sergio Moro não autorizou o monitoramento dos números telefônicos. Fato este que foi refutado pelo MPF dizendo que o monitoramento foi no celular e não chip. 

Fernandinho Beira-Mar está cumprindo pena no Presidio Federal de Mossoró, no Rio Grande do Norte. Ele que está condenado a mais de 300 anos de prisão estava cumprindo pena  em Porto Velho, mas de lá ele ainda continuava comandando as ações da quadrilha por mensagens codificadas.