Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

CORREIO B

Cientistas afirmam que roupas alteram comportamento das pessoas

Cientistas afirmam que roupas alteram comportamento das pessoas
02/03/2016 16:57 - EDUARDO FREGATTO


 

Acordar de manhã, abrir o guarda-roupa e escolher quais peças utilizar é um ato mecânico e sem importância especial para muitas pessoas. Por mais corriqueiro que seja o hábito, cientistas apontam que a roupa escolhida pode alterar o comportamento do indivíduo. O humor, saúde e confiança geral dependem de uma autoimagem saudável e a vestimenta afeta os níveis de autoestima. Os cientistas chamam esse fenômeno de “enclothed cognition”, algo como “cognição de indumentária”.

De acordo com pesquisadores da Universidade de Northwestern, nos Estados Unidos, essa cognição envolve a coocorrência de dois fatores independentes: o significado simbólico das roupas e a experiência física de usá-las.

A consultora de imagem e estilo Adriana Estivalet, de Campo Grande, diz que até a escolha da cor das roupas pode indicar o humor e estado de espírito. “Geralmente, quem acorda bem, animado, procura peças com mais cores, enérgicas. Se a pessoa não estiver em um dia bom, se for mais introvertida, vai buscar tons neutros ou escuros”, explica.

Em sua experiência profissional, Adriana relata que já atendeu muitos clientes que escondiam a própria personalidade atrás de roupas sérias, e não conseguiam atrair amigos e relações sociais. Por outro lado, há casos de quem sempre buscou estampas muito chamativas e intimidava as pessoas ao redor. 

Foi o caso da empresária Monaliza Drews, 45 anos. Por conta da sua altura combinada a suas peças bastante coloridas, Monaliza se queixava de não se sentir totalmente confortável e segura em suas roupas. “Eu sou bem alta e a Adriana me deu dicas para evitar muitas estampas e cores, porque fica exagerado”, diz a empresária.

Para ela, a mudança de imagem melhorou sua atuação nos negócios e também na vida social. “Você precisa se sentir confortável, isso é fundamental”, afirma Monaliza. “Hoje eu me sinto mais empoderada, mais autoconfiante. Se me sinto confortável e bem vestida, minha autoestima já chega diferente nos lugares”.

A consultora de imagem destaca que, apesar das recomendações que faz, o cliente sempre irá manter seu gosto pessoal e estilo. “A gente traz todas essas novas possibilidades e eles acabam ajeitando do jeito deles”, aponta. “A pessoa não vai mudar totalmente, ela vai experimentar algo novo e se gostar vai inserir em sua vida. É importante tentar, não cair nas zonas de conforto”, avalia.

PSICOLOGIA

De acordo com a psicóloga Raissa Teslenco, da Capital, as roupas funcionam como um cartão de visita. “Muitas vezes nem é algo tão racional e medido, mas a nossa personalidade acaba por influenciar nossos gostos e estilos”, argumenta. “Sendo assim, a forma como eu me visto e me arrumo vai passar informações se estou bem naquele dia, se estou mais despojada ou mais séria”, exemplifica.

“Se estou usando coisas que me favorecem e acentuam meus pontos fortes, me sinto mais poderoso e confiante, pois sei que o foco não está nos meus defeitos. Esses detalhes podem ajudar, dando uma dose de confiança em uma baixa estima”, aponta a especialista.

É claro que sentir-se bem também está relacionado aos códigos sociais de vestimenta, muitas vezes impostos pelo ambiente de trabalho ou por uma festa e celebrações. “Conforto também está ligado a sentir-se inserido naquele ambiente e talvez até admirado pelas pessoas à volta”, avalia Raissa.

DICAS

A consultora de imagem Adriana Estivalet compartilha recomendações para manter um guarda-roupa que estimula a confiança e boa autoestima.

O primeiro é passo é, antes de ir as compras, saber exatamente o que se quer comprar. “As pessoas não sabem o que querem. Primeiro, têm que parar e fazer um processo de autoconhecimento, definir o que eu gosto e o que eu não gosto”, indica.

O segundo passo, de acordo com a especialista, é ter consciência corporal. Isto é: não adianta ver um estilo de roupa na televisão, em atrizes e modelos, e achar que o mesmo estilo é o ideal para você também. “É preciso ter dimensão do próprio corpo, da altura, peso e tamanho. E saber quais são os seus pontos positivos, o que você gostaria de disfarçar e o que cai bem no seu corpo”. 

Adriana destaca ainda que é preciso sair de casa com lista de compras, para evitar impulsos e desperdício de dinheiro. 

Depois disso, é hora de gerenciar o guarda-roupa. Só mantenha peças que você realmente gosta e que a façam bem. “Não existe meio-termo. Se você não adora a peça, se desfaça. Não tenha dó”, recomenda Adriana.

Caso contrário, será só mais uma roupa ocupando espaço em seu armário, que nunca será usada ou, quando for, irá causar insegurança e desconforto.

Caso seja difícil encontrar as peças ideais prontas nas lojas, é sempre possível realizar ajustes em costureiras. O importante é sair de casa sempre sentindo-se bem com a própria imagem.

“O fundamental é sentir-se seguro. A roupa é uma ferramente de satisfação pessoal”, finaliza Adriana.

Felpuda


Figurinha está trabalhando intensamente para tentar eleger a esposa como prefeita de município do interior.

Até aí, uma iniciativa elogiável. Uns e outros, porém, têm dito por aí que seria de bom tom ele não ensinar a ela, caso seja eleita, como tentar fraudar folha de frequência de servidores. 

Afinal, assim como ele foi flagrado em conversa a respeito com outro colega, não seria nada recomendável e poderia trazer sérias consequências. Só!