Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

TELEVISÃO

Mentalidade verde

Em “Amor de Mãe”, Isis Pessino leva a consciência ambiental da personagem para além do vídeo
24/01/2020 16:20 - CAROLINE BORGES/TV Press


 

Isis Pessino gosta de se surpreender. Talvez por isso mesmo, o universo das novelas seja tão atraente para a atriz. No ar em “Amor de Mãe”, a intérprete da ativista ambiental Cássia encara seu segundo folhetim. Atriz de teatro desde os seis anos, Isis está desfrutando dos mistérios e inconstâncias de uma obra aberta. “Em minha estreia, na novela ‘Deus Salve o Rei’, eu descobri meu amor pela televisão. E sigo cada vez mais apaixonada. É muito interessante não saber qual vai ser o fim da personagem, ir recebendo os capítulos e ir descobrindo aos poucos, isso abre muitas possibilidades para o meu trabalho de atriz”, valoriza. Na trama de Manuela Dias, Cássia faz parte do projeto de preservação ambiental Planeta Vivo, liderado por Davi, interpretado por Vladimir Brichta. “A Cássia acredita que as ações não-violentas são o caminho para o diálogo. Ela é uma mulher jovem muito forte e sonhadora”, afirma.

Aos 22 anos, Isis é bastante ligada ao universo abordado por sua personagem no folhetim das nove. Nos últimos anos, a atriz buscou ter maior consciência ambiental de suas ações e formas de consumo. Por isso mesmo, ela tem mudado alguns hábitos em seu dia a dia. “Sempre fui conectada com a natureza, meus pais tiveram papel fundamental nisso. Porém, agora que já estou mais velha, percebo que amar a natureza não é só usufruir dela, mas sim viver junto. Sobreviver junto. Lutar pela vida. Então, eu tento reduzir ao máximo meus hábitos que são ruins para a nossa sobrevivência, busco alternativas como redução do consumo de carne e do consumo de plástico. É mais fácil do que parece”, defende Isis, que fez testes para integrar o folhetim. “Quando descobri que passei, chorei de alegria”, completa.

Isis Pessino

Nome: Isis Pessino Monteiro de Barros.

Nascimento: Em 5 de março de 1997, no Rio de Janeiro.

Atuação inesquecível: “A personagem Sofia, na peça ‘Gravidades’, direção e texto de Júlia Stockler e Laura de Araújo. Essa foi a primeira peça que meu coletivo, Dupla de 3, realizou”.

Interpretação memorável: “Fernanda Montenegro no filme ‘Central do Brasil’”. 

Um momento marcante na carreira: “Agora”. 

Com quem gostaria de contracenar: Drica Moraes.

Se não fosse atriz, o que seria: Professora.

Ator: Cico Caseira.

Atriz: Drica Moraes.

Novela preferida: “Avenida Brasil”, da Globo, de 2012. “Amo!”. 

Vilão marcante: Carminha, interpretada por Adriana Esteves em “Avenida Brasil”.

Que novela gostaria que fosse reprisada: “Eu diria ‘Avenida Brasil’, mas já está sendo reprisada! (risos)”.

Que papel gostaria de representar: “A protagonista do filme ‘Carol’, vivida por Cate Blanchett”. 

Filme: “La La Land: Cantando Estações”, de Damien Chazelle.

Autor predileto: Hilda Hilst.

Diretor favorito: Stanley Kubrick.

Vexame: “Nunca vivi um grande vexame. Mas uma história engraçada é que já cai em uma poça de lama em uma festa de réveillon. Eu estava toda de branco”.

Uma mania: “Morder os lábios”.

Um medo: “De ficar longe da minha mãe”.

Projeto: “Meu projeto de vida sempre foi conseguir abrir um espaço cultural que seja acessível a todos e também abrir um canil para resgatar animais de ruas”.

Felpuda


Os bastidores fervem com a ciumeira que vem acontecendo em alguns municípios, onde determinados candidatos estariam sendo mais prestigiados que outros depois das alianças que foram formalizadas nas convenções. As queixas só aumentam, e as lideranças partidárias já não sabem o que fazer, temendo a possibilidade de que a vitória vá para o ralo. A bronca maior está entre integrantes das chapas puras de vereadores que se coligaram na majoritária. E salve-se quem puder!