Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

MISS UNIVERSO

Sul-africana é coroada Miss Universo 2019 e fala contra o racismo

Sul-africana é coroada Miss Universo 2019 e fala contra o racismo
09/12/2019 16:54 -


 

Quem venceu o concurso de Miss Universo 2019 realizado neste domingo, em Atlanta Estados Unidos, foi a candidata pela África do Sul, Zozibini Tunzi. Ela concorreu com outras 88 candidatas. Ao receber a coroa, fez declarações contra o preconceito, o racismo e o machismo.

O segundo lugar ficou com Madison Anderson, de Porto Rico, e o terceiro foi para a mexicana Sofía Aragón.

A candidata Swe Zin Htet de Mianmar no Miss Universo 2019 fez uma revelação muito corajosa.

Swe Htet, foi a primeira concorrente na história do concurso a assumir a homossexualidade. A declaração foi dada dias antes da final para a revista People. "Quando eu digo que sou lésbica, terei um grande impacto na comunidade LGBTQI+ no meu país", disse.

Swe Htet tem 21 anos e disse que a decisão de tornar pública a orientação sexual também é um divisor de águas em sua história. "É como se eu tivesse iniciando um novo capítulo da minha vida", afirmou.

Swe Htet também desabafou sobre preconceito: "a dificuldade é que lá (Mianmar) as pessoas não são aceitas. Elas são alvo de preconceitos de outras e são discriminadas".

A candidata por Mianmar disse que descobriu seu interesse por mulheres ainda na adolescência, aproximadamente com 15 anos de idade. "No começo foi difícil, mas depois de um período eu soube que era lésbica e me aceitei assim", relembrou.

Brasileira:

A representante do Brasil no Miss Universo 2019, Júlia Horta, conseguiu alcançar o top 20 do concurso, mas não passou para as finais neste domingo, 8.

A última vez que o Brasil venceu o concurso de Miss Universo foi em 1968, com Martha Vasconcellos.

Felpuda


Os bastidores fervem com a ciumeira que vem acontecendo em alguns municípios, onde determinados candidatos estariam sendo mais prestigiados que outros depois das alianças que foram formalizadas nas convenções. As queixas só aumentam, e as lideranças partidárias já não sabem o que fazer, temendo a possibilidade de que a vitória vá para o ralo. A bronca maior está entre integrantes das chapas puras de vereadores que se coligaram na majoritária. E salve-se quem puder!