Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

EDITORIAL

Confira o editorial desta segunda-feira: "Prejuízos aos cofres públicos e à saúde"

O contrabando de agrotóxicos tem causado prejuízo anual de mais de R$ 8 bilhões ao País, além de riscos à saúde pública
02/03/2020 03:00 - Da Redação


contrabando de agroquímicos vem crescendo de forma exponencial nas fronteiras brasileiras, inclusive as de Mato Grosso do Sul, via Paraguai, levando o Brasil a perdas significativas em vários itens de sua economia. Conforme o Instituto de Desenvolvimento Econômico e Social de Fronteiras (Idesf), estima-se que o comércio de defensivos agrícolas ilegais já represente cerca de 24% do mercado desses produtos no Brasil. Um porcentual considerado elevado.

Na prática, os lucros dos contrabandistas alimentam a lógica econômica desse rentável mercado ilícito. O fornecimento brasileiro de defensivos ainda é controlado por pouquíssimas empresas. Essa situação acaba levando ao abuso nos preços praticados. Na contramão, os produtos são vendidos mais baratos nos países vizinhos, atraindo os agricultores brasileiros, apesar de sua ilegalidade.

Os prejuízos relacionados aos agroquímicos ilegais são muito mais abrangentes do que os de qualquer outro produto contrabandeado, não ficando apenas nos custos. Isso porque, por meio da alimentação, o crime atinge toda a população. Há informações do Idesf de que os pesticidas contrabandeados do Paraguai chegam a ter índices de concentração 600% superiores ao porcentual permitido pelas autoridades sanitárias para aplicação no Brasil. Os agrotóxicos ilegais são adquiridos sem orientação técnica, contribuindo para o aumento de riscos de intoxicação humana e de contaminação ambiental. Quando as embalagens são abandonadas no ambiente, ou descartadas em lixões e aterros, podem contaminar o solo, as águas superficiais e subterrâneas. Há ainda o problema da reutilização sem critério das embalagens, que coloca em risco a saúde dos homens e dos animais.  

Se o peso desses ilícitos recai, inicialmente, sobre as regiões fronteiriças, o saldo negativo é pago por toda a sociedade, uma vez que o tráfico que passa pelas fronteiras chega até os grandes centros urbanos brasileiros. A considerar as perdas em todos os seus matizes, já está mais do que na hora de o governo federal ter um olhar mais rigoroso e comprometido sobre as regiões de fronteira, principalmente as de Mato Grosso do Sul, que concentram uma movimentação crescente de pessoas e de produtos ilegais. Caso isso não seja feito, as perdas continuarão crescentes.

Felpuda


Figurinha carimbada ganhou o apelido de “biruta”, instrumento que indica direção do vento e, por isso, muda constantemente. Dizem que a boa vontade até existente ficou no passado, e as reclamações são muitas, mas muitas mesmo, diante das decisões que vem tomando a cada mudança de humor do eleitorado. Como bem escreveu o poetinha Vinicius de Moraes: “Se foi pra desfazer, por que é que fez?”.