ARTIGO

Marcos Trad: "Campo Grande revive em 2020"

Prefeito de Campo Grande
04/02/2020 01:00 -


Nossa cidade está melhor. Faço essa afirmação não por vaidade ou para desmerecer o trabalho de muitos outros prefeitos que me antecederam. Conseguimos em três anos criar um ambiente de paz institucional entre os poderes, dando segurança à população, mostrando ao Brasil que aqui temos consciência do valor do futuro, principalmente para as próximas gerações.

Com parcimônia, paciência estamos vencendo desafios importantes, agregando, nos dois últimos anos, mais de 4 bilhões de reais ao nosso produto interno bruto (PIB), que, em 2017, era de 27 bilhões de reais, e passou a,no final do ano passando, ser  de 31 bilhões de reais.

Nosso trabalho é coletivo. Cada segmento de nossa sociedade tem participação nos resultados das ações da prefeitura. Os projetos propostos são avaliados, discutidos e criticados, sem que haja prepotência, personalismo e imposição.

Acreditamos na democracia. Acreditamos na vontade geral prevalecendo sobre interesses mesquinhos e exclusivos. Acreditamos nos homens e mulheres de bem e que os debates visam acima de tudo o bem de nossa população. Acreditamos que a melhor forma de gestão tem a premissa da transparência e da obediência às leis.
Por isso, nos últimos 3 anos, nunca enfrentamos escândalos de corrupção, algo que se tornou corriqueiro no noticiário nacional.

Temos chamado a atenção para este fato – que apenas se trata de uma obrigação de todo gestor – para mostrar que trabalhar honestamente, primando pela honradez, é possível.

As atividades do exercício de 2019 tiveram consideráveis avanços. Superamos ramos desafios e demos passos importantes para levar nosso município à posição de destaque nacional. As inovações tecnológicas implantadas pela prefeitura sagraram Campo Grande com o prêmio da  “boas práticas na gestão pública”.

Pelo apoio aos pequenos empreendedores conquistamos o prêmio “Sebrae de prefeito empreendedor”. Recebemos o selo mérito “melhores práticas em habitação de interesse social do país” e o prêmio “Mariluce Bittar de boas práticas de gestão na assistência social”, iniciando 2020 em primeiro lugar entre os prefeitos de capitais do Brasil, segundo levantamento do G1 sobre o cumprimento de metas.

Tudo isso só foi possível graças ao planejamento estratégico bem elaborado e trabalho desenvolvido com ética, responsabilidade, honestidade e transparência por uma equipe comprometida com o desenvolvimento de campo grande.

Não poderia encerrar este artigo sem dar um destaque à concretização da primeira etapa da revitalização do centro de campo grande.

O Reviva Campo Grande é a realização de um projeto que vem sendo sonhado desde os anos oitenta.
Financiado pelo BID, conseguimos antecipar em praticamente 6 meses sua finalização. Enfrentamos críticas e incompreensões no começo, mas com paciência, humildade e sabedoria, vencemos todos os obstáculos.
Conseguimos cravar no centro de nossa capital uma reforma estruturante que redefinará os conceitos urbanos de nossa cidade. Tanto é assim que hoje muitos bairros reivindicam seu próprio “Reviva”, com os itens da mesma estrutura de serviços.

Essa obra histórica perdurará para sempre, simbolizando uma era de mudanças substantivas em nossa capital. Todos que participamos desse processo seremos lembrados nos próximos séculos como pioneiros das mudanças modernas exigidas para viver numa cidade sustentável com os conceitos de planejamento estratégico.

Sei que ainda há muito trabalho a ser feito e desafios a serem vencidos, mas é nítido que campo grande está mais forte e próspera. Com as bênçãos de Deus e o apoio da população, avançaremos ainda mais na construção de uma cidade melhor que ontem e pronta para o amanhã!  

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".