Cidades

OBA

A+ A-

Olimpíada Brasileira de Astronomia e Astronáutica tem inscrições abertas

Olimpíada Brasileira de Astronomia e Astronáutica tem inscrições abertas

Agência Brasil

11/02/2018 - 14h43
Continue lendo...

Já estão abertas as inscrições para a 21ª Olimpíada Brasileira de Astronomia e Astronáutica (OBA). A competição é aplicada em 13 mil escolas para alunos dos ensinos fundamental e médio. Os participantes da olimpíada recebem certificado e concorrem a 40 mil medalhas.

As escolas interessadas em participar da competição podem se inscrever até 18 de março no site oficial da olimpíada. As instituições de ensino que já participaram da edição passada da competição não precisam realizar um novo cadastro.

A competição será marcada para o dia 18 de maio e selecionará os representantes do Brasil na Olimpíada Internacional de Astronomia e Astrofísica (IOAA) e na Olimpíada Latino-Americana de Astronomia e Astronáutica (OLAA). No mesmo dia do torneio, ocorrerá a Mostra Brasileira de Foguetes (MOBFOG).

As provas estão divididas em quatro níveis: três para os alunos do ensino fundamental e um para os do ensino médio. A avaliação tem dez perguntas em cada etapa: três de astronáutica e sete de astronomia. A maioria delas, porém, exige apenas raciocínio lógico. As medalhas são distribuídas de acordo com a classificação em cada um dos níveis.

Cerca de 60 alunos serão selecionados para participar da Jornada Espacial. Serão pré-selecionados somente alunos do ensino médio, de qualquer ano/série, com as melhores notas de Astronáutica e que ainda não tenham  participado da jornada. Não há taxa de inscrição para escolas ou alunos participarem da OBA.

Também está com inscrições abertas a Mostra Brasileira de Foguetes, uma olimpíada experimental, que consiste em construir e lançar, obliquamente, foguetes, a partir de uma base, o mais distante possível. Para participar da mostra, foguetes e bases de lançamentos devem ser construídos por alunos individualmente ou em equipes de até três componentes. Em 2017, o evento contou com a participação de 94 mil alunos

O evento avalia a capacidade dos estudantes de construir e lançar, o mais longe possível, foguetes feitos de garrafa PET, de tubo de papel ou de canudo de refrigerante. A mostra também é voltada para  alunos dos ensinos fundamental e médio de escolas públicas e particulares de todas as regiões do país.

Segundo o regulamento, jovens que concluíram o ensino médio podem participar, desde que representando a instituição na qual se formaram, com a concordância da instituição. O desafio acontece dentro da própria escola e tem quatro níveis. A novidade deste ano é que professores também poderão construir e lançar foguete

Alunos ou equipes dos ensinos médio ou superior que lançarem seus foguetes a mais de 100 metros de distância serão convidados para participar da Jornada de Foguetes. O evento ocorre na cidade de Barra do Piraí, Rio de Janeiro. A data ainda não está definida, mas segundo a organização, deve ser entre outubro e novembro deste ano.

A olimpíada e a mostra são eventos abertos à participação de escolas públicas ou privadas, urbanas ou rurais, sem exigência de número mínimo ou máximo de alunos. Os eventos são coordenados por uma comissão formada por membros da Sociedade Astronômica Brasileira (SAB) e da Agência Espacial Brasileira  (AEB).

INTERIOR

Casal carbonizado em Três Lagoas foi morto por "amigos próximos"

Autores do crime foram presos na manhã desta hoje (28) em Bauru (SP), sete meses após o duplo homicídio de Dênis e Leide, e serão trazidos para MS para esclarecimento das motivações da dupla

28/02/2024 09h45

Na manhã de sábado (22 de junho de 2023) os dois corpos foram localizados em pontos distintos na cidade de Três Lagoas Reproduções

Continue Lendo...

Na manhã de hoje (28), cerca de sete meses após a morte de Denis Antônio de Souza Queiroz, 31, e Leide Jasmin Rodrigues, 21 - casal encontrado carbonizado em Três Lagoas em julho do ano passado -, a Polícia Civil de Mato Grosso do Sul prendeu em Bauru a dupla apontada como responsável pelo crime, considerados pelas investigações como "amigos próximos" das vítimas. 

Cabe ressaltar, conforme a Polícia Civil, que a motivação do crime ainda não está totalmente esclarecida, e os presos na cidade paulista serão recambiados para o município de Três Lagoas, onde serão interrogados e formalmente indiciados pelos crimes praticados. 

As mortes de Denis e Leide foram enquadradas como homicídio quadruplamente qualificados, pelo motivo fútil, pelo recurso que impossibilitou a defesa das vítimas, pelo emprego de fogo e asfixia, e ainda, para assegurar a impunidade de outro crime.

Batizada como Operação "Fogo Amigo", essa ação coordenada pela Seção de Investigação Geral (SGI) e Núcleo Regional de Inteligência (NRI) foi movida pela Delegacia Regional de Polícia Civil de Três Lagoas, contando com apoio das seguintes equipes da DEIC/DEINTER-4, da Polícia Civil do Estado de São Paulo: 

  • 1ª DIG; 
  • 3ª Delegacia de Homicídios;
  • Setor Especializado de Combate aos Crimes de Corrupção, Crime Organizado e Lavagem de Dinheiro (SECCOLD), e
  • Grupo de Operações Especiais (GOE)

Relembre

Na manhã de sábado (22 de junho de 2023) dois corpos foram localizados em pontos distintos na cidade de Três Lagoas, distante cerca de 326 km de Campo Grande. 

Logo nas primeiras horas da manhã, por volta de 06h, populares acionaram a polícia para relatar que o corpo de uma mulher ainda estava em chamas, localizado atrás da Unidade Educacional de Internação (UNEI) de Três Lagoas. Era Leide Jasmin Rodrigues, morta aos 21 anos. 

Cerca de duas horas depois, o corpo de Denis Antonio de Souza Queiroz foi localizado distante quase 8km do corpo de Leide, já na saída para o município de Selvíria, em uma estrada do bairro Montanini nas proximidades da BR-158.

Natural do interior de São Paulo, Denis teria sido morto primeiro, enquanto Leide foi supostamente executada como queima de arquivo, por estar junto do companheiro na hora de seu sequestro. 

Conforme a polícia, ambos apresentavam sinais semelhantes em suas mortes, como asfixia e por estarem parcialmente carbonizados. Os indivíduos apontados como "amigos próximos" serão ouvidos e confrontados com as apurações policiais referentes aos meios usados e motivações. 

Alvos de prisão e busca e apreensão após representação da Polícia Civil, aceita pelo Ministério Público com ordens judiciais expedidas pela 1ª Vara Criminal e do Tribunal do Júri, da Comarca de Três Lagoas–MS, no momento da ação policial um dos possíveis autores dos crimes foi autuado ainda pelo flagrante por tráfico de drogas. 
 

Assine o Correio do Estado

folha secreta

Prefeitura da Capital propõe "jetons sem limites" para servidores

Projetos mantêm "vale-coxinha" de efetivos, mas deixam caminho para dinheiro "extra" de comissionados de alto escalão

28/02/2024 09h30

Prefeitura de Campo Grande vai alterar regras de pagamentos Foto: Gerson Oliveira

Continue Lendo...

Depois de forte pressão dos servidores públicos, o Poder Executivo recuou do projeto de lei que acabava com os vales-alimentação de R$ 350 e de R$ 494 (conforme a categoria) de servidores públicos municipais para bancar o aumento de salários de servidores comissionados. O município, porém, acabou com os limites de 10 reuniões por mês para pagamentos de jetons, que deram origem à folha secreta. 

Os projetos de leis complementares que alteram o regime salarial dos servidores públicos do Município de Campo Grande foram enviados ontem à Câmara Municipal 
e começaram a tramitar na Casa.

O desejo do Executivo era de que as matérias tramitassem sem muita discussão, em sessão extraordinária, no ano passado, mas o presidente do Legislativo municipal, Carlos Augusto Borges, o Carlão (PSB), atendeu ao clamor das categorias e afirmou que discutiria a matéria apenas no início deste ano. 

As proposições do Executivo municipal chegaram ontem à Câmara. A justificativa da prefeita Adriane Lopes (PP) é de que a prefeitura deve atender a um termo de ajuste de gestão (TAG) assinado por ela e pelo conselheiro do Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso do Sul (TCE-MS), Osmar Jeronymo, para reduzir gastos com pessoal para que o município volte a se enquadrar nos limites estabelecidos pela Lei de Responsabilidade Fiscal, uma vez que o limite máximo está “estourado”. 

Mas o pagamento sem limites de jetons (o limite, se houver, será uma decisão discricionária do chefe do Executivo, não prevista em lei), que é uma espécie de bônus que secretários ou servidores com cargos de chefia ou integrantes de conselho recebem para participar de reuniões (algumas muito pouco produtivas, relatam algumas fontes), parece ir contra uma das cláusulas do TAG usado como justificativa na lei. 

“A compromissária [no caso, a prefeitura] se obriga a promover, no prazo de 60 dias úteis, a contar da aprovação dos respectivos projetos de lei, a fixação em normativo dos critérios objetivos na definição do porcentual de pagamento de qualquer gratificação, adicional ou benesse salarial aos servidores municipais concedidas pelo chefe do Executivo municipal, tais como gratificação de representação, de função de confiança, de plantão de serviço, por encargos especiais e pela participação em órgão colegiado; do pagamento de jeton, pela participação em órgão de deliberação coletiva, e da gratificação por encargos especiais”, destaca o texto do TAG.

“A compromissária se obriga a atender a esse item mediante o encaminhamento de projeto de lei, no prazo de até 90 dias úteis, cujo objeto será a efetiva redução dos dispêndios com as rubricas jeton e encargos especiais, até a recondução do índice de despesa total com pessoal ao limite prudencial”, complementa o documento redigido em conjunto pelo TCE-MS e pelo município, que a prefeita justifica estar cumprido nos dois projetos enviados à Câmara. 

Escândalo

O pente-fino do TCE-MS que resultou no TAG teve início depois que o Correio do Estado publicou o escândalo da folha secreta. Em dezembro de 2022, uma das secretárias de Adriane Lopes recebeu, em um único mês, um supersalário de R$ 51,7 mil (R$ 54,7 mil no valor bruto).

No ano passado, o Correio do Estado também denunciou que a chefe de gabinete da prefeita recebeu R$ 88,3 mil de salário, sendo R$ 70 mil de verbas temporárias, sobre as quais não incide Imposto de Renda. 

O escândalo fez com que o município fosse forçado a regularizar o pagamento de jetons, que chegavam a aumentar em mais de R$ 50 mil o contracheque de alguns servidores municipais em alguns meses. 

No projeto enviado à Câmara Municipal, porém, não fica claro como o município fará, liberando o pagamento de jetons sem limites, para reduzir os gastos com esses pagamentos. 

Além de não limitar mais os jetons, o Executivo ainda deu um jeito de manter os tais “encargos especiais”, rubrica que turbina salários de comissionados. Agora, eles só poderão ser pagos se o servidor fizer uma função diversa daquela descrita para o cargo que ocupa. 

Guarda municipal

Nas propostas enviadas ontem, o município também acaba com o vale-transporte dos guardas municipais. 

Na comparação com a proposta enviada no ano passado, como já informado no início deste texto, a prefeita Adriane Lopes acabou desistindo de acabar com o vale-alimentação de categorias como fiscais e guardas, com valores entre R$ 350 e R$ 494.

NEWSLETTER

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo.

Fique Ligado

Para evitar que a nossa resposta seja recebida como SPAM, adicione endereço de

e-mail [email protected] na lista de remetentes confiáveis do seu e-mail (whitelist).