Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

VÍRUS

“Não há motivo para pânico”, diz secretário sobre novo coronavírus

Pessoas têm procurado unidades de saúde relatando sintomas, casos foram descartados
27/02/2020 13:00 - Eduardo Miranda, Ricardo Campos Jr


 

Desde que o primeiro caso de coronavírus em solo brasileiro foi confirmado, na madrugada de quarta-feira, as notificações de casos suspeitos aumetaram em vários lugares do país. Em Campo Grande não foi diferente. Somente na quarta-feira, foram três casos. Na manhã desta quinta-feira, outros dois. Em meio a preocupação da população, o secretário de Saúde da Capital do Estado, José Mauro de Castro Filho, procura tranquilizar a população: “Não há motivo para pânico”, afirma. 

Ele explicou ao Correio do Estado que o plano de contingência para atender as suspeitas da doença tem sido revisto constantemente e que várias providências estão sendo tomadas.

Segundo o secretário, que também é médico, é mais fácil pegar gripe (cujo vírus circula há muito mais tempo no Brasil) do que coronavírus, lembrando que as duas doenças têm sintomas semelhantes.

Na quarta-feira, pessoas procuraram unidades públicas de saúde dos bairros Vila Almeida e Ana Maria do Couto, e também o Hospital Proncor. Na manhã desta quinta-feira, mais gente com sintomas foi ao Hospital Unimed e também à Unidade de Pronto Atendimento do Jardim Leblon.

As autoridades de saúde de Campo Grande descartaram o caso do Hospital Unimed. “Toda a rede está sendo orientada. Se não há um motivo para o paciente ser isolado, o paciente é liberado”, explicou Castro Filho.

O secretário lembra que os protolocos do coronavírus são muito específicos para se enquadrar um caso como suspeito. O fato de o paciente ter estado nos últimos dias em países onde o vírus circula (como alguns da Europa e Ásia) ou ter tido contato permanente com estas pessoas são determinantes.

Em Mato Grosso do Sul, por enquanto, somente o caso de um rapaz de 24 anos de idade, que esteve nos últimos 14 dias na China, Tailândia e na Alemanha, é tratado como suspeito. Ele está isolado no Hospital Regional da cidade de fronteira. O paciente está bem e até mesmo duvida que esteja mesmo com coronavírus, mas ainda segue sem contato com outras pessoas.

PÂNICO

Castro Filho considera normal que, diante do bombardeio de notícias sobre a doença mundo afora, as pessoas fiquem com medo e procurem as unidades de saúde quando apresentam sintomas de gripe comum, até mesmo sem contato com pacientes ou turistas que estiveram em áreas de risco.

“Eu entendo essa preocupação e acho justa, mas temos que entender que são realidades diferentes. Além de existirem evidências de que o vírus é menos agressivo em países tropicais, como o Brasil, os casos letais em sua maioria envolvem pacientes com mais de 60 anos com outras doenças associadas”, disse.

A principal preocupação das autoridades de saúde pública é a velha e conhecida dengue, que este ano já matou três pessoas, somente em Campo Grande.

 

Felpuda


Lideranças de alguns partidos estão fazendo esforço da-que-les para fechar chapa com o número exigido por lei de 30% do total de vagas para as mulheres. Uma dessas legendas, por exemplo, tenta mostrar a “felicidade” das suas pré-candidatas, mas teme o fracasso, tendo em vista que o “chefe maior” é aquele que já mandou mulheres calarem a boca e disse também que a importância da sua então esposa na campanha eleitoral era porque apenas “dormia com ele”. Ô louco!