Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

RECOMEÇO

Abrigo recebe móveis feitos por detentos

Pranchas de Jatobá foram apreendidas pela Receita Federal e transformadas em mesas para casa que acolhe crianças em MS
26/04/2020 13:24 - Naiane Mesquita


A Casa da Garota, abrigo para crianças em situação de vulnerabilidade social localizado na cidade de Guia Lopes da Laguna, recebeu mesas e bancos produzidos por detentos de Mato Grosso do Sul. Os móveis foram feitos com pranchas de jatobá, oriundos de uma apreensão da Receita Federal. A iniciativa é realizada pela Agência Estadual de Administração do Sistema Penitenciário (Agepen), que também doa regulamente hortaliças de uma horta localizada em uma penitenciária da cidade de Jardim, vizinha de Guia Lopes. 

As atividades tiveram início a partir de uma solicitação da Casa da Garota, que atende atualmente 23 jovens, de 0 a 18 anos. O abrigo foi fundado há 11 anos e segundo a presidência da instituição, as mesas e cadeiras foram confeccionadas de acordo com a estatura dos estudantes, adequando o uso as necessidades das crianças e adolescentes. 

Até o momento, já foram entregues duas mesas de jantar com bancos e finalizadas com verniz automotivo, além da reforma de mesas de estudo e sete cadeiras.

Para a confecção das peças, o presídio recebeu o apoio de uma marcenaria da cidade que emprestou o maquinário necessário para a produção. O trabalho foi realizado, durante dois meses, por um interno que é profissional na área, já que a oficina de marcenaria da unidade prisional está com a atividade suspensa devido às medidas de prevenção a pandemia do novo coronavírus (Covid-19). 

Todos os internos que realizam ocupação produtiva recebem remição de um dia na pena a cada três trabalhados, conforme estabelece a Lei de Execução Penal.

 

Felpuda


Dia desses, há quem tenha se lembrado de opositor ferrenho – em público –, contra governante da época, mas que não deixava de frequentar a fazenda de “sua vítima” sempre que possível e longe dos olhos populares. Por lá, dizem, riam que só do fictício enfrentamento de ambos, que atraía atenção e votos. E quem se lembrou da antiga história garantiu que hoje ela vem se repetindo, tendo duas figurinhas carimbadas nos papéis principais. Ô louco!