Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

TRENDING TOPICS

Vítimas de assédio na Capital contam relatos e viram assunto mais comentado no Brasil

Na hashtag "exposedcg" vítimas contam histórias de abuso sexual
02/06/2020 12:30 - Gabrielle Tavares


A hashtag “ExposedCG” está em um dos assuntos mais comentados no Twitter. A campanha, que ganhou força em outros estados brasileiros, foi criada para incentivar mulheres a exporem relatos de abuso sexual na rede social.

Em Campo Grande quem tomou a iniciativa foi Elizabeth Brum, em uma publicação em seu perfil no Twitter ela disse “já passou da hora de abusadores dessa cidade serem minimamente responsabilizados”. Ela começou uma “thread” - nome usado para a prática de postar vários tweets sobre o mesmo assunto, já que a rede social só permite publicações de 240 caracteres por vez – onde mostra relatos anônimos de mulheres que já foram vítimas de assédio na cidade.

Ela não identifica as mulheres nas publicações, só os suspeitos. Em outra postagem, disse que recebeu cerca de 150 mensagens contando histórias de abuso. Há acusações contra diversos profissionais da cidade, como de dentista de uma clínica particular, fotógrafo e até professor de uma escola privada.

Com o mesmo objetivo, o perfil anônimo “@ExporAs” também faz publicações com acusações de assédio sexual que aconteceram em Campo Grande. Mais uma vez as postagens preservam a identificação da vítima e publica somente o nome do acusado. A conta foi criada na segunda-feira (1°) e já tem 408 seguidores e 45 publicações.

 
 

Felpuda


Alguns pré-candidatos que estão de olho em uma cadeira de vereador vêm apostando apenas nas redes sociais, esperançosos na conquistados votos suficientes para se elegerem. A maioria pede apoio financeiro para continuar mantendo suas respectivas páginas, frisando que não aceita dinheiro público ou de político, fazendo com que alguns se lembrem daquela famosa marchinha de carnaval: “Ei, você aí, me dá um dinheiro aí, me dá um dinheiro aí...”. Como diria vovó: “Essa gente perdeu o rumo e o prumo”.