Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

INCÊNDIOS

Em ação cautelar, Agência de Notícias de Direitos Animais pede que governo acabe com queimadas no Pantanal

Documento apresentado à 8ª Vara Federal Cível da Seção Judiciária de Mato Grosso afirma que Governo Federal se omite e sugere uso de aviões da FAB
21/09/2020 16:00 - Estadão Conteúdo


A Agência de Notícias de Direitos Animais (Anda) moveu uma ação cautelar, na 8ª Vara Federal Cível da Seção Judiciária de Mato Grosso, pedindo que o governo federal acabe com as queimadas no Pantanal. O documento sugere que aviões da Força Aérea Brasileira (FAB) sejam usados para combater os incêndios na região.
 

O texto da ação, assinado pelas advogadas da Anda, Evelyne Paludo e Letícia Filpi, ressalta que "a utilização da aviação através da Força Aérea Brasileira é o único meio efetivamente capaz de evitar o ponto de irreversibilidade da tragédia ambiental que estamos vivendo".
 

O documento alerta, ainda, que as queimadas estão matando milhares de animais e a vegetação. "O meio ambiente - fauna e flora - estão sendo dizimados em razão da omissão da União em promover ações efetivas no combate aos incêndios, deixando de cumprir a responsabilidade prevista constitucionalmente".
 

A ação movida pela Anda ressalta, ainda, o decreto assinado pelo governador do Mato Grosso que estabeleceu estado de emergência "em razão do descontrole absoluto dos incêndios que avançam destruindo a vegetação e aniquilando animais silvestres".

Destruição

As queimadas atingem o Pantanal desde julho. Em meio às polêmicas, o presidente da República, Jair Bolsonaro, disse na semana passada que o Brasil "está de parabéns" na questão ambiental. Nesta segunda-feira, 21, o ministro do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), Augusto Heleno, minimizou a alta nos números de desmatamento e queimadas.

 
 

Felpuda


Candidato a vereador caiu em desgraça, pelo menos em um dos bairros de Campo Grande, ao promover comício em ginásio de esporte, com direito a ônibus lotados e espoucar de muitos fogos de artifício.

Aí dito-cujo foi alvo de muitas críticas, tanto pela zoeira causada, como por ter mandado às favas quaisquer cuidados na prevenção da Covid-19, ao promover grande aglomeração. Irresponsabilidade é pouco, hein?!