Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

QUEIMADAS

Operação Pantanal II tenta impedir o avanço das chamas na região do Amolar

Para impedir o aumento dos incêndios em outras reservas, bombeiros priorizam o combate na região do Amolar
28/09/2020 09:47 - Alicia Miyashiro


Nesta segunda-feira (28), a Operação Pantanal II, que tenta controlar os focos de incêndios florestais que aumentam no entorno da Serra do Amolar, passa a contar com duas aeronaves.

Um helicóptero do ICMbio e um Air Tractor, contratados pelo Estado, vão combater o fogo com lançamentos de água.

A Operação reúne bombeiros de Mato Grosso do Sul e do Paraná, brigadistas do Ibama, ICMbio, e de organizações não-governamentais.

Com incêndios avançando há três dias pela vegetação nativa da Reserva Particular do Patrimômio Natural (RPPN) Eliezer Batista, o esforço para eliminar as chamas se concentrará na linha de fogo.

Na tarde de domingo (27), os bombeiros e brigadistas, que totalizam 35 homens, iniciaram uma nova estratégia para controlar os incêndios e impedir que cheguem à morraria do Amolar, que correm risco de avançar para outras duas unidades de conservação.

 
 

Ajuda aérea

Os coordenadores da Operação e técnicos do Instituto Homem Pantaneiro (IHP), ONG que administra a Eliezer Batista, estabeleceram uma ação na região entre as baias do Mandiore e Taquaral, com uma linha negra de fogo.

“Se o fogo atingir o topo da morraria pode se tornar incontrolável, avançando por uma área de reservas que somam 70 mil hectares”, alerta Ângelo Rabelo, diretor do IHP. “Vamos proteger a serra enquanto o vento norte segura o fogo.”

O avião Air Tractor, iniciou sua operação na tarde de domingo, como parte da nova estratégia, lançando água na linha de fogo que ameaça as unidades de conservação.

A partir do dia 28, o helicóptero do ICMbio, integra a operação com bolsas para lançamento de água, que irão reabastecer na Serra Negra — área que faz parte da rede de proteção e conservação da Serra do Amolar.

 
 

Famílias ribeirinhas

Estas ações de combate e controle dos focos de calor no Amolar já duram uma semana. A prioridade dos bombeiros foi proteger as comunidades ribeirinhas das margens do Rio Paraguai.

Onde o fogo há alguns dias, ameaçou algumas residências, obrigando as famílias que habitavam na região, se deslocarem para uma escola municipal.

A Operação conta com o apoio de todas as reservas, hospedando os bombeiros, cedendo barcos e voluntários.

 

Felpuda


Comentários maldosos nos meios políticos dão conta que duas figurinhas que se rebelaram contra os próprios colegas poderão ficar no sereno político e, de forma indireta, serem personagens das próprias manifestações.

Um deles defendeu a redução do número de vereadores, e o outro disse ter vergonha de exercer o cargo. Agora enfrentam altos e baixos na campanha eleitoral.