Cidades
ABORTO CLANDESTINO

Onze anos após morte, enfermeiro e cunhado de Marielly irão a júri popular

Jovem morreu durante aborto clandestino e teve corpo ocultado em 2011

Glaucea Vaccari

25/05/2022 12:46

Onze anos após o crime, Hugleice de Souza e o enfermeiro Jodimar Ximenes Gomes serão levados a júri popular pela morte de Marielly Barbosa Rodrigues, 19 anos, cunhada de Hugleice, que morreu durante aborto clandestino, em maio de 2011, em Sidrolândia.

O julgamento foi marcado para o dia 15 de setembro deste ano, no Tribunal do Júri da comarca de Sidrolândia.

Hugleice de Souza e o enfermeiro responderão por provocar aborto com o consentimento da gestante, mediante fraude, grave ameaça ou violência, com a qualificadora de resultar na morte da gestante, e por ocultação de cadáver.

Hugleice está preso no Mato Grosso, onde foi condenado em 2020 a 12 anos de prisão por tentar matar a esposa, irmã de Marielly, no estado vizinho.

Já Jodimar responderá em liberdade.