Clique aqui e acompanhe o resultado das Eleições 2020

CAMPO GRANDE

Agência estabelece medidas a serem adotadas para amenizar falta de água

Concessionária Águas Guariroba deve ampliar sistema de abastecimento e realizar intervenções imediatas
08/10/2020 15:28 - Glaucea Vaccari


Agência Municipal de Regulação dos Serviços Públicos (Agereg) estabeleceu medidas para que a Águas Guariroba adote medidas de ampliação do sistema de abastecimento de água e realize intervenções imediatas para amenizar os problemas com a falta d'água em Campo Grande.

Conforme resolução publicada nesta quinta-feira (8) no Diário Oficial do Município, as condições climáticas da Capital nos últimos dias, que enfrentou longos períodos de estiagem e umidade abaixo de 20%, afetam drasticamente os sistemas produtores de água, causando vazão dos mananciais e, consequentemente, redução da capacidade de produção.

Na publicação, assinada pelo diretor-presidente da Agereg, Vinícius Leite Campos, consta que esta situação não é inédita e vem se repetindo ano a ano, já sendo previsível o impacto direto no fornecimento de água.

Isto porque as temperaturas elevadas aumentam significativamente o consumo, enquanto a estiagem reduz substancialmente a vazão das captações subterrâneas e superficiais.

Segundo a Agereg, a capacidade de produção atual do Sistema de Abastecimento de Água (SAA) não é suficiente para abastecer a população durante os períodos de estiagem.

Em outubro do ano passado também houve desabastecimento e foi requisitado que a Águas elaborasse um plano de ação objetivando antecipar investimentos necessários no sistema de abastecimento, tendo em vista que a falta de água do ano passado já trazia indícios de que a situação se repetiria neste ano.

No entanto, segundo a agência reguladora, os investimentos não foram suficientes e as informações prestadas pela concessionária “têm sido insuficientes e incompletas”.

Na resolução, a Agereg requer o início imediato de obras de perfuração de poços nas regiões mais críticas, como forma de amenizar o comprometimento no fornecimento de águas para a população.

Também é estabelecido que, até abril de 2021, a concessionária amplie a capacidade de produção do sistema de abastecimento de água, em pelo menos 8 l/s.

Em até 30 dias, a Águas deverá disponibilizar modelo de simulação hidráulica do sistema de abastecimento, contemplando sistemas de produção e distribuição de água.

No mesmo prazo, devem ser apresentados indicadores operacionais para o monitoramento do sistema a curto, médio e longo prazo.  

Correio do Estado entrou em contato com a assessoria de imprensa da Águas Guariroba para saber se as medidas serão adotadas, mas não obteve retorno até a publicação desta reportagem.

 
 

Operação Balneário

Calorão e estiagem levaram a cidade a enfrentar uma seca e a Águas a retirar águas do Balneário Atlântico, em Campo Grande.

Pelo menos quatro regiões da Capital registraram falta de água e, no mês passado, a Agereg abriu um processo administrativo contra a concessionáa, que pode resultar em multa.

No Balneário Atlântico, caminhões pipa faziam filas para serem abastecidos com água.  

Na semana passada, diretor-presidente da concessionária de água e esgotamento sanitário de Campo Grande, Themis de Oliveira, disse ao Correio do Estado que a situação atípica pode levar a Águas a retirar água bruta de outros reservatórios.

Segundo ele, a concessionária negocia com vários proprietários rurais a retirada de água de lagos e represas no entorno da cidade para atender a demanda de consumo, que aumentou 22% em setembro.

Ao ser questionada hoje pelo Correio do Estado, a empresa emitiu uma nota dizendo que “a Águas Guariroba já conta com ações em andamento para reforçar o abastecimento de água em Campo Grande e minimizar os impactos gerados pelo período atípico de estiagem e altas temperaturas. Dessa forma, as medidas apresentadas na resolução publicada nesta quinta-feira (8), já estão sendo analisadas pela concessionária.”

 

Felpuda


A futura composição  dos 29 vereadores  em Campo Grande poderá ser diferente  da que foi oficializada, segundo o que  se tem ouvido,  com certa frequência, nas rodinhas de conversas dos meios políticos.  

Nova distribuição  das cadeiras poderá ocorrer e, assim, quem está prestes a entrar com pompa e circunstância poderá nem passar pela porta de entrada  e tomar posse de cadeira  para chamar de sua.  

O caldeirão está fervendo.