Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

GÔNDOLAS VAZIAS

Ainda há quem pense no coletivo mesmo com disputa por mantimentos nos mercados

População está lotando supermercados e atacadista em "compra do mês antecipada"
20/03/2020 15:14 - Fábio Oruê


 

Pessoas enchendo carrinhos em supermercados e atacadistas diante da pandemia do coronavírus tomou proporções tão grandes que a Superintendência para Orientação e Defesa do Consumidor (Procon) precisou recomendar aos estabelecimentos limitar a quantidade de produtos por clientes. 

Mas em meio a incerteza do futuro e corrida injustificada por fazer estoque, há quem pense no bem e na distribuição dos mantimentos para todos. Como a engenheira Cristina Frazão, de 48 anos, que foi à um atacadista de Campo Grande para fazer a compra da semana, sem exageros. “Comprei as frutas e verduras para passar a semana. A gente precisa comprar de forma consciente sempre; pensar que não pode faltar para o outro”, disse ela ao Correio do Estado.

Superlotar os mercados, além de não ser recomendado, expõe funcionários dos estabelecimentos e clientes a uma aglomeração desnecessária diante da pandemia do novo coronavírus. 

Durante a manhã, diversos estabelecimentos estavam cheios e com muitas filas fora da entrada do estabelecimento porque as empresas adotaram medidas de segurança para evitar as aglomerações. Além disso colocaram faixas demarcando áreas no piso para manter a distância entre os carrinhos.

“Nós temos que nos preocupar, mas não desleixar”, opinou o funcionário público Creso Damiazo, que comprou alguns itens de limpeza em maior quantidade. Nas gôndolas é possível perceber que o foco do consumidor é o papel higiênico, que estão com quantidades baixas nos estabelecimentos. 

 
 

Segundo o Procon, deve prevalecer o bom senso diante dessa situação anormal a qual a sociedade está exposta para não levar ao caos generalizado. Consumidores, segundo o órgão, devem ter consciência de que todos os seus pares também têm necessidades e a compra exagerada tende a fazer com que o item falte para outra pessoa.

Já a promotora de vendas Kátia Vaneza, de 39 anos, justificou que com os filhos em casa a compra do mês aumentou, mas sem exageros. “Nada de estocar as coisas”, disse. 

A Associação Sul-Mato-Grossense de Supermercados (Amas) garante que não há risco de faltar alimentos ou produtos de higiene. De acordo com o presidente da Amas, Edmilson Veratti, em alguns supermercados o movimento ficou até 20% maior.

“Temos relato de loja com fila de uma hora e meia. As pessoas estão indo nas lojas desnecessariamente, não tem perigo de ter desabastecimento; nenhuma indústria ou transportadora foi parada. Não há porque a população ficar nervosa e fazer uma corrida aos supermercados no momento”, explicou Veratti.

*Colaboraram Bruna Aquino e Ricardo Campo Jr. 

 

Felpuda


Casal de políticos muito conhecido a-do-ra cargos públicos, e, assim, “um puxa o outro” na maratona política, que inclui disputa de mandatos, direção de órgãos e até mesmo nomeações com prerrogativa de não ter de bater ponto. A nova empreitada agora é conquistar uma das prefeituras do interior. Em caso de derrota, é quase certo que os nomes de ambos deverão aparecer no Diário Oficial antes mesmo do fim deste ano.