Clique aqui e veja as últimas notícias!

PROBLEMA

Alta no preço dos materiais de construção pode afetar obras

Secretaria de Obras da Capital já recebeu contatos informais de empreiteiras insatisfeitas com custos acima do orçado
07/04/2021 08:33 - Ricardo Campos Jr


O aumento nos preços dos materiais de construção civil também pode emperrar a execução de obras públicas. O Índice Nacional de Custo da Construção (INCC), calculado e divulgado pela Fundação Getúlio Vargas (FGV), registrou alta de 1,89% em fevereiro deste ano, a maior observada desde junho de 2016 (1,93%). 

Como na prática os custos estão extrapolando os orçamentos previstos nos editais de licitação, há o risco das empresas começarem a pedir revisões dos valores ou até mesmo desistirem dos contratos.

Outro problema com as obras públicas, conforme publicado nesta terça-feira no jornal Correio do Estado, é em relação à falta de materiais para algumas construções públicas na cidade, o que pode afetar o andamento. 

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Segundo o Sindicato Intermunicipal da Indústria da Construção do Estado de Mato Grosso do Sul (Sinduscon-MS), o desabastecimento de materiais de construção pode atrasar o andamento de, pelo menos, 80% dos empreendimentos do Estado, tanto públicos como privados.

Sobre o preço dos materiais, Rudi Fiorese, titular da Secretaria Municipal de Infraestrutura e Serviços Públicos (Sisep), revelou ao Correio do Estado que o órgão já recebeu contatos informais de empreiteiras reclamando da situação, mas, por enquanto, nenhum pedido oficial foi protocolado. 

“Isso pode acarretar na inconclusão das obras, porque a prefeitura não tem como atender ao aumento das verbas destinadas à execução dos empreendimentos. Atualmente nós temos cerca de 30 obras em andamento, e logicamente que nem todas seriam impactadas, pois algumas já estão em fase final, mas pode acontecer e em grandes obras”, afirmou.

Fiorese acrescenta que isso faria com que os canteiros fossem paralisados até a questão ser resolvida, seja por negociação com as construtoras, seja por relicitação. Em todos os casos, o poder público e a população saem perdendo.

Embora o titular da Sisep não tenha adiantado quais as obras que correm o risco de sofrer com a alta dos preços dos materiais, é possível ter uma ideia observando o tempo que elas estão sendo executadas e os valores, já que quanto mais antigas, mais defasadas ficam. Uma delas é a revitalização da Avenida Ernesto Geisel, que se arrasta há vários anos na cidade. Em janeiro, segundo a própria secretaria, apenas 60% do empreendimento havia sido concluído. No dia 6 de janeiro deste ano, o município recebeu repasse de R$ 1.931.454,49 da União para dar continuidade à obra, que até o momento está orçada em R$ 52 milhões.

Outro projeto que pode sofrer é o Centro de Belas Artes. Embora sequer tenha começado, a Justiça paralisou o início dos trabalhos da Vale Engenharia e Construções até analisar o pedido de uma antiga empreiteira, que abandonou o projeto e abriu processo dizendo que não recebeu tudo o que tinha direito. 

O problema é que, antes das altas nos insumos, a reforma foi orçada em R$ 3.175.125,66. Resta saber se a empresa vai conseguir tocá-la com este montante ou se vai ser preciso pedir uma adequação.  

INICIATIVA

Amarildo Melo, presidente do Sinduscon-MS, disse ao Correio do Estado que o setor está tentando uma saída para reduzir o preço dos materiais de construção desde outubro do ano passado junto ao governo federal. 

Várias soluções foram sugeridas, como reduzir os impostos para importação de insumos, o que não deixaria escolha ao mercado nacional senão baratear seus produtos para fazer frente a concorrência.

Por enquanto, a questão segue apenas como tema de conversas e de reuniões, nenhuma decisão prática foi tomada. 

“Nós já alertamos, via Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC), até mesmo o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) para que averígue a formação de cartel no setor. O governo tem que ver isso, tem que tomar alguma medida urgente”, disse Melo.

Segundo ele, poucas indústrias detém o monopólio do mercado de alguns itens, como cimento, aço e PVC. 

Em Mato Grosso do Sul e vários estados, a pandemia afetou pouco a construção civil, porque os canteiros ficaram pouco tempo sob a mira das medidas restritivas, o que não justificou, de acordo com o presidente do Sinduscon, a redução drástica nas linhas de produção das fábricas, que teria levado ao aumento nos preços.

“É preciso investigar. Caso realmente esteja havendo cartel, é preciso freá-lo, baixar o preço para trazer material de fora e poder equilibrar o mercado. Aço mesmo só tem três fabricantes, cimento três e PVC só um. Eles fazem o que querem. Se não abrir mercado externo, vão continuar fazendo”, reclama Melo.

NÚMEROS

O índice da FGV revela que no segundo mês de 2020 a mão de obra ficou praticamente estável e variou apenas 0,12%, mas o custo com os materiais subiu 4,38%. Com isso, no acumulado dos últimos 12 meses, o setor teve acréscimo de 11,07%.

As maiores influências positivas no aumento dos custos com materiais e equipamentos foram vergalhões e arames de aço ao carbono (+21,34%), tubos e conexões de ferro e aço (+11,56%), tubos e conexões de PVC (+7,39%), tijolo/telha cerâmica (+2,57%) e condutores elétricos (+3,78%).

Conforme análise da CBIC, nenhuma estatística projetava um incremento de preços tão expressivo, o que compromete o orçamento das obras. 

Em um momento no qual o Brasil busca alternativas para sair da forte crise econômica causada pela pandemia do novo coronavírus, atividades como a construção civil ganham ainda mais relevância, pois exercem um papel estratégico na geração de renda e de emprego.

As projeções de crescimento previstas em 4% podem ser revistas caso nenhuma medida contenha as altas sucessivas nos preços dos materiais. 

“Há o risco de termos um cemitério de obras paradas”, conclui o presidente do Sinduscon-MS.

Assine o Correio do Estado