Cidades
ANIVERSÁRIO

Hospital São Julião faz 81 anos de história com 114 mil atendimentos por ano

Expectativa é ultrapassar 34 mil procedimentos cirúrgicos em 2022

Naiara Camargo

05/08/2022 10:44

 

O Hospital São Julião completa 81 anos nesta sexta-feira (5). O local foi inaugurado em 1941 como casa de leprosário e confinamento para tratar a hanseníase. 

Além de ser referência no tratamento da hanseníase, também trata pacientes com tuberculose e oftalmologia.

O Hospital São Julião ocupa 243 hectares e está localizado na região do bairro Nova Lima, em Campo Grande.

De acordo com a assessoria de imprensa do Hospital São Julião, o local possui 36 leitos cirúrgicos, 74 leitos clínicos e realiza 70 cirurgias por dia, entre oftalmologia, cirurgia geral e otorrinolaringologista.

O Hospital realiza mais de mil cirurgias por mês, entre cirurgias oftalmológicas, gerais, vasculares e de otorrino.

No mês de junho, a casa de saúde fez mais de 260 cirurgias gerais, sendo a maioria em vídeo, que proporciona recuperação rápida.

O Hospital realizou 27 mil procedimentos pelo Sistema Único de Saúde (SUS) em 2019 e a projeção é de 34 mil procedimentos para 2022.

A aposentada Luciene Rocha dos Santos saiu do estado de Rôndonia para se tratar no Hospital São Julião e afirmou que a data de 5 de agosto é como se fosse seu aniversário.

“Em 1988 vim de Rondônia para o São Julião. Cheguei muito doente e sem esperança alguma. Só sabia assinar meu nome. Ali me tratei, estudei, depois consegui trabalho na cidade, me aposentei e hoje sou voluntária da Missão dos Vicentinos, coordenando o setor de amparo às famílias de ex-hansenianos que moram no Bairro Nova Lima. Consegui trazer minha família para cá e nesse dia é só gratidão e alegria”, contou.

O empresário e presidente da Associação do Hospital São Julião, Carlos Melke, é recém-empossado e comemora o seu primeiro 5 de agosto com muita alegria.

“Mesmo hoje, nos novos tempos, é importante mantermos vivo esse espírito de confraternização por uma história construída com muito sacrifício, humanidade e empreendedorismo. E, não se enganem os que pensam que a hanseníase é uma doença extinta no Brasil”, disse.

“Ela ainda está presente e precisa da atenção constante das autoridades sanitárias. O São Julião está aberto a novas especialidades, mas continua vigilante quando o assunto é hanseníase. Espero viver muitos 5 de agostos aqui, nos atualizando e preservando as tradições”, complementou.