Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

ESTADO DE EMERGÊNCIA

Após atender caso suspeito de coronavírus, profissionais de hospital público passam por capacitação

Paciente está entre outros oito que estão sendo monitorados no Estado
28/02/2020 18:45 - Adriel Mattos


 

A equipe do Hospital Regional Dr. José de Simone Netto, em Ponta Porã, passou por capacitação na quinta-feira (27) para reforçar o atendimento de casos suspeitos do novo coronavírus. A orientação teve o objetivo de esclarecer recomendações da Secretaria de Estado de Saúde (SES) e do Ministério da Saúde.

Os profissionais foram instruídos sobre a nota técnica da SES, classificação de pacientes, fluxos de vigilância e notificação imediata, preconizados pelo Ministério da Saúde. A gerente técnica de Influenza e doenças respiratórias da SES, Livia de Mello Almeida Maziero, ainda deu dicas para evitar o contágio.

“Como medidas de prevenção recomendamos para a população realizar cuidados como a higiene das mãos com água e sabão, álcool gel, evitar locais com aglomeração de pessoas e evitar contato com pessoas que estiveram entre os 16 países que estão em alerta de transmissão da doença”, explicou.

A gerente de enfermagem do hospital, Edna Cândido, destacou que a unidade elaborou um programa de acordo com orientações do Ministério da Saúde e Organização Mundial da Saúde (OMS).

“Os pacientes que chegarem à unidade com sintomatologia de gripe serão encaminhados para atendimento médico imediato. Na classificação de risco, os pacientes com sintomas do novo coronavírus serão triados, paramentados com máscara de proteção e encaminhados para uma área de isolamento. A direção do hospital e Instituto Acqua, organização que administra a unidade, têm disponibilizado capacitação constante de médicos e enfermeiros, leitos de isolamento e paramentação adequada de proteção, tais como: máscaras, luvas, gorros e aventais, promovendo segurança a pacientes e profissionais da saúde”, explicou.

BOLETIM

A SES já notificou nove casos suspeitos do novo coronavírus em Mato Grosso do Sul. Oito foram registrados em Campo Grande e um em Ponta Porã. Os dados constam no boletim epidemiológico divulgado pela Secretaria de Estado de Saúde (SES) nesta sexta-feira (28).

Sete pacientes passaram pela Itália, um pela Coreia do Sul e outro pela Tailândia, China e Alemanha. Outros quatro casos foram descartados.

Dos nove casos em investigação, quatro estão no Laboratório Central de Saúde Pública (Lacen/MS) para a realização de exames preliminares para Influenza e mais oito tipos de vírus respiratórios. Cinco já passaram pelo exame de triagem do Lacen e foram enviados para Instituto Adolfo Lutz (IAL), em São Paulo, para serem pesquisados outros tipos de vírus respiratórios, incluindo o novo coronavírus.  

PRIMEIRO CASO

Na quarta-feira (26), a SES notificou o primeiro caso suspeito. É um jovem com 24 anos de idade,  com histórico de viagem de 14 dias na Tailândia, com passagens pela China e Alemanha.  

Ele desembarcou no aeroporto de Guarulhos e veio de carro até Ponta Porã, cidade no sudoeste do Estado na fronteira com o Paraguai. O paciente foi atendido no Hospital Regional Dr. José de Simone Netto, apresentando febre, coriza e dor de garganta. Ao Correio do Estado, Gabriel Santana disse que contraiu um resfriado na Alemanha, por conta do clima frio. “Peguei resfriado na Alemanha por conta do clima muito gelado e quando desembarquei no Brasil, o clima era de muito calor”, explica.

Nas redes sociais, ele chegou a publicar que não acredita que tenha a Covid-19. “Vim pro hospital não porque suspeitava que eu estava com corona, mas sim pra pegar um atestado que prove que não tenho o coronavírus, que se tratava de uma gripe comum e assim poder voltar trabalhar normal”, afirmou.

 

Felpuda


Em uma das eleições em MS, candidato já oficializado na convenção corria o trecho para conquistar os eleitores. Mal sabia, porém, que time do seu partido e de aliados estava tramando sua derrubada para emplacar substituto que teria mais votos. Por muito pouco, o dito-cujo não foi guilhotinado, conseguindo salvar o pescoço. Agora tudo indica que o mesmo processo estaria em andamento e seria mais fácil, pois a “vítima” desta vez ainda é só pré-candidato. Dizem que a “turma da trairagem” tem know-now no assunto.