Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

CRIME AMBIENTAL

Após caso Naja, sete cobras criadas ilegalmente são entregues em Mato Grosso do Sul

Cobras e aranhas eram criadas sem autorização ambiental e foram entregues voluntariamente
14/08/2020 12:34 - Glaucea Vaccari


Após um estudante de Medicina ser picado por uma cobra Naja, em Brasília, e indiciado por tráfico de animal, pessoas que criavam animais sem autorização ambiental já entregaram sete serpentes e cinco aranhas tarântulas em Mato Grosso do Sul.

De acordo com a coordenadora do Centro de Reabilitação de Animais Silvestres (Cras), a médica veterinária Aline Duarte, as entregas foram feitas voluntariamente, em pouco mais de uma semana.

Aline alerta que capturar, traficar, vender e criar animais silvestres, nativos ou exóticos, é crime ambiental e o infrator pode ser preso e obrigado a pagar multas altas.  

No entanto, caso a pessoa procure um órgão ambiental para entregar o animal voluntariamente, ela fica livre de qualquer punição.

Das sete serpentes entregues no Cras, cinco eram da espécie Corn Snake, a cobra-do-milho, encontrada na fauna norte-americana.

Esta espécie é bastante cobiçada por traficantes de animais devido a ser colorida e não ser peçonhenta.  

As outras duas eram da espécie Píton, que também não é venenosa.  

Animais passaram por exames clínicos e foram encaminhadas ao Biotério da Universidade Católica Dom Bosco (UCDB).

É possível conseguir autorização ambiental para criar animais silvestres, cumprindo algumas exigências.  

Para quem tem um animal que não é permitida a criação, entrega pode ser feita de segunda a sexta-feira, das 8h às 16h, no Cras, localizado entre o Parque das Nações Indígenas e o Parque Estadual do Prosa. O acesso é no final da rua Mato Grosso, na rotatória que dá acesso ao Parque dos Poderes.

 
 

Tráfico de animais

No dia 30 de julho, a Polícia Federal cumpriu um mandado de busca e apreensão em Campo Grande, em operação desencadeada para desarticular organização criminosa de tráfico internacional de animais silvestres, exóticos e em extinção.

A ação fez parte da terceira fase da Operação Marraquexe, deflagrada no Amapá, mas com mandados cumpridos em outros quatro estados, incluindo Mato Grosso do Sul, e a maioria dos animais apreendidos eram cobras.

Também em julho, o estudante de Medicina Veterinária Pedro Henrique Krambeck, foi picado por uma cobra Naja, da qual ele não tinha permissão para criação.

Investigação da Polícia Civil apontou que ele traficava animais silvestres há cerca de três anos. ele será indiciado por tráfico de animais silvestres, maus-tratos pelo número correspondente de cobras relacionadas a ele: 23, por associação criminosa e exercício ilegal da profissão.

Além disso, o criminoso foi multado em R$ 78 mil.

 

Felpuda


Figurinha está trabalhando intensamente para tentar eleger a esposa como prefeita de município do interior.

Até aí, uma iniciativa elogiável. Uns e outros, porém, têm dito por aí que seria de bom tom ele não ensinar a ela, caso seja eleita, como tentar fraudar folha de frequência de servidores. 

Afinal, assim como ele foi flagrado em conversa a respeito com outro colega, não seria nada recomendável e poderia trazer sérias consequências. Só!