Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

COVID-19

Após denúncias, Guarda Municipal vai impedir saída de ônibus com passageiros em pé

Prefeito ameaçou paralisar transporte coletivo em caso de reincidência
08/04/2020 17:16 - Adriel Mattos, Glaucea Vaccari


 

A partir desta quarta-feira (8), os ônibus do transporte coletivo de Campo Grande não vão iniciar ou retomar a viagem se houver passageiros em pé. A medida foi anunciada pelo prefeito Marcos Trad (PSD) durante transmissão ao vivo na rede social Facebook.

“Estamos autorizando os motoristas a não sair com o ônibus caso esteja com passageiros em pé. Sei que muitos estão preocupados com sua segurança, mas não há outra alternativa”, justificou Trad. A Guarda Civil Metropolitana (GCM) vai fiscalizar o cumprimento da nova regra.

O serviço operado pelo Consórcio Guaicurus opera parcialmente há quase três semanas, quando a prefeitura decretou diversas medidas de restrição para conter o avanço da pandemia de Covid-19, doença causada pelo novo coronavírus. Na segunda-feira (6), mais veículos passaram a circular, retomando as linhas normais.

O prefeito ameaçou paralisar completamente o serviço se os usuários continuarem descumprindo a recomendação. “Vamos tomar uma [medida] mais radical ainda, vamos parar com o transporte coletivo se você, usuário, não cumprir com o regramento. O próprio campo-grandense tem que começar a fiscalizar”, afirmou, incentivando mais denúncias.

A lotação dos ônibus está limitada ao número de passageiros sentados, que varia entre 40 e 50 pessoas, dependendo do modelo. Usuário podem denunciar pelo telefone 153 da GCM. Cabe multa no caso do descumprimento.

 

Felpuda


Lideranças de alguns partidos estão fazendo esforço da-que-les para fechar chapa com o número exigido por lei de 30% do total de vagas para as mulheres. Uma dessas legendas, por exemplo, tenta mostrar a “felicidade” das suas pré-candidatas, mas teme o fracasso, tendo em vista que o “chefe maior” é aquele que já mandou mulheres calarem a boca e disse também que a importância da sua então esposa na campanha eleitoral era porque apenas “dormia com ele”. Ô louco!