Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

PANDEMIA

Após recuperação, em quanto tempo paciente deixa de transmitir o novo coronavírus?

Prazo varia conforme gravidade dos sintomas e forma de recuperação
28/06/2020 17:01 - Adriel Mattos


As autoridades de saúde já têm um consenso que o coronavírus demora até 14 dias para se manifestar no organismo após a infecção. Mas após o paciente se recuperar, em quanto tempo ele deixa de transmitir o vírus. Isso depende do quadro do paciente.

Segundo a infectologista Mariana Croda, da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS), são quatro tipos de pacientes: o que tem sintomas leves; o moderado, aquele que tem uma pneumonia mas consegue manter-se em casa; o grave que requer internação; e o crítico que precisa ir para Unidade de Terapia Intensiva (UTI).

“Há uma diferença na transmissão entre esses pacientes. Os pacientes leves e moderados eles transmitem muito menos. Os pacientes que requerem internação, eles permanecem eliminando esse vírus por mais tempo. Para esses casos é possível avaliar a positividade do teste molecular por tempo prolongado, maior que nos casos leves”, explica a especialista, que é membro do Comitê de Operações de Emergência da pandemia no Estado.

A volta à rotina ocorre duas semanas após o contágio, mais um prazo “extra” de quarentena para o retorno ao convívio social. “Como a maioria dos pacientes não consegue estabelecer o dia do contato, a gente utiliza a data do início dos sintomas. Após 14 dias, se ele já está há pelo menos 3 dias, ou seja 72 horas assintomático, ele já está apto a voltar às atividades habituais inclusive o contato familiar”, diz Mariana.

A infectologista ressalta a terminologia correta para o paciente que não tem mais sintomas. Com o conhecimento obtido pela doença, é certo dizer que uma pessoa se recuperou da Covid-19. “O termo curado envolve várias questões que ainda não é possível comprovar com o coronavírus”, explica.  

E os cuidados para essas pessoas que tiveram a doença devem ser mantidos, já que não existem evidências científicas suficientes para determinar se existe risco de reinfecção ou de imunidade. “Como nós ainda não conhecemos toda a dinâmica da questão da imunidade do vírus, ou seja, se eu ganho uma imunidade permanente quando tenho a doença, como se fosse uma vacina, ou seja, eu não pego de novo. Já existem relatos na literatura de prováveis reinfecções, então os cuidados permanecem para a pessoa que já teve o vírus. Ela não tem uma chance maior de pegar de novo, ela só tem que manter as precauções como higiene das mãos, uso de máscaras, o isolamento social, como alguém que não teve”, finaliza.

 
 

Felpuda


Mesmo sem ter, até onde se sabe, combinado com o eleitor, candidato a prefeito começou a apresentar nomes do seu ainda hipotético secretariado, pois parece estar convicto de que conseguirá vencer a disputa.

Os adversários dizem por aí que ele está muito distante de “ser um Jair Bolsonaro”, que, ainda na campanha eleitoral para presidente da República, já falava em Paulo Guedes para ser seu ministro de Economia. Como sonhar é permitido