Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

PROCURADOR-GERAL DA REPÚBLICA

Aras pede que STF suspenda inquérito das fake news

Ele alega que Procuradoria-Geral da República foi surpreendida pela operação da PF contra apoiadores de Bolsonaro
27/05/2020 14:51 - Da Redação


Procurador-geral da República, Augusto Aras, pediu ao ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), a suspensão do inquérito que investiga uma suposta organização criminosa responsável por fake news nas redes sociais.

Segundo Aras, a Procuradoria-Geral da República foi “surpreendida” com as ações realizadas hoje em operação da Polícia Federal, que cumpriu 29 mandados de busca e apreensão nesta quarta-feira (27).

“A Procuradoria-Geral da República viu-se surpreendida com notícias na grande mídia de terem sido determinadas dezenas de buscas e apreensões e outras diligências, contra ao menos 29 pessoas, sem a participação, supervisão ou anuência prévia do órgão de persecução penal", afirmou o procurador-geral. O Ministério Público é "o destinatário dos elementos de prova na fase inquisitorial" e, por isso, existe a "necessidade de se conferir segurança jurídica na tramitação do inquérito".  

Inquérito tem como relator o ministro Alexandre de Moraes e o procedimento tramita em sigilo.

Apoiadores do presidente Jair Bolsonaro tiveram celulares e computadores recolhidos na operação, no âmbito da investigação. O inquérito sigiloso foi aberto para apurar ameaças, ofensas e fake news disparadas contra os integrantes do Supremo e seus familiares. Desde o início, a investigação sofreu forte oposição do Ministério Público Federal por ter sido iniciado de ofício (sem provocação de outro órgão) pelo ministro Dias Toffoli. O que é incomum, mas não inconstitucional.

 
 

Felpuda


É quase certo que a aposentadoria deverá ocorrer de maneira mais rápida do que se pensava em determinado órgão. O que deveria ser a tal ordem natural dos fatos acabou sendo atropelada por acontecimentos considerados danosos para a imagem da instituição. Os dias estão passando, o cerco apertando e já é praticamente unanimidade de que a cadeira terá de ter substituto. Mas, pelo que se ouve, a escolha não deverá ser com flores e bombons de grife.