Artigos e Opinião

CORREIO DO ESTADO

Editorial desta quinta-feira: "Descaso e descrédito"

Editorial desta quinta-feira: "Descaso e descrédito"

Redação

31/12/2015 - 00h00
Continue lendo...

Ironicamente, neste período de crise vivenciado por toda a população, já perdemos a conta do total de milhões surrupiados dos cofres públicos

Descrédito na política e nas finanças brasileiras. Esse foi o principal saldo negativo de 2015. As ilusões vendidas pela presidente Dilma Rousseff, na campanha eleitoral de 2014, não se concretizaram, e o despreparo ficou evidente pela sequência de indicadores negativos. A inflação ultrapassou 10%, mais de um milhão e meio de vagas de emprego foram fechadas, e as contas públicas tiveram o maior rombo para o mês de novembro. Alimentos, energia elétrica, água e impostos subiram de forma assustadora, como medida adotada pelos governantes para tentar salvar as próprias finanças. Peso a mais no bolso do contribuinte, que também viu seu orçamento estourar.

Difícil acreditar na nova promessa da presidente Dilma, sobre as reformas que serão executadas a fim de tornar a economia mais eficiente. Os “ajustes” ainda não foram suficientes para retomar o crescimento. Consequência inevitável, portanto, que a presidente tenha batido recorde nacional de rejeição popular, conforme mostraram diversas pesquisas divulgadas ao longo do ano. Os escândalos de corrupção, sem dúvida, também têm peso importante na avaliação negativa da presidente Dilma e de uma parcela significativa de políticos brasileiros. Ironicamente, neste período de crise vivenciado por toda a população, já perdemos a conta do total de milhões surrupiados dos cofres públicos. Montantes vultosos são revelados a cada nova etapa de investigações ou delações premiadas, no decorrer da Operação Lava Jato. 

Impossível saber em quem confiar no meio de tantas revelações. Mato Grosso do Sul vive um capítulo à parte de todo esse desastre, que atingiu em cheio, principalmente, a Petrobras. O senador Delcídio do Amaral (PT) está atrás das grades desde o dia 25 de novembro, depois de ter sido detido por atrapalhar as investigações da Lava Jato. Ele tentava comprar o silêncio e tramar a fuga de Nestor Cerveró, ex-diretor de Área Internacional da estatal. Não conseguiu impedir que Cerveró fizesse novas revelações. No total, o petista sul-mato-grossense é acusado de receber quase R$ 50 milhões em propina.

O governo errou feio ao promover uma política econômica de incentivo ao consumo, sem promover estímulos para angariar novos investimentos. Errou feio ao afirmar a milhares de brasileiros que as finanças iam bem, quando, na verdade, o quadro era totalmente inverso. Fica explícito que se equivocou mais ainda, quando mensuramos o tenebroso esquema de superfaturamento nos negócios que eram firmados pela Petrobras. 

Terminamos o ano pasmos, diante de um escândalo de proporções ainda maiores que o mensalão, algo até então impensável. Descrentes nas promessas de que o crescimento econômico seria retomado, depois da resistência, durante as eleições, em negar a crise que estava evidente. Difícil acreditar, mas o lema do governo era “Brasil, pátria educadora”. Passamos longe disso em termos políticos e econômicos. Tivemos, pelo contrário, lições de incompetência e ineficiência, que jamais devem ser repetidas. Entramos em 2016 sem melhores perspectivas para escapar do desastre ocorrido ao longo de 2015. 

Artigo

Como identificar relações amorosas abusivas

08/06/2024 08h30

Continue Lendo...

O Dia dos Namorados está chegando e se tornou muito comum trocar presentes e fazer declarações amorosas. Se por um lado essa prática apresenta expressões de afetividade, carinho e dedicação, por outro, pode ocultar traços de algo muito frequente na nossa cultura: as relações abusivas.

Viver um relacionamento abusivo é um processo mais complexo do que se pode supor à primeira vista. Raramente um relacionamento já se inicia evidenciando as características abusivas. Normalmente, trata-se de um processo que vai se aprofundando ao longo do tempo de convivência a partir de um domínio psicoemocional de uma das partes sobre a outra. 

Esse é um assunto sério e que merece absoluta atenção e cuidado de todos os segmentos sociais. De acordo com dados do relatório publicado pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública (FBSP), somente em 2023 foram registrados 1.463 casos de feminicídio no Brasil, cerca de um caso a cada seis horas. Esse é o maior número registrado desde que a lei contra feminicídio foi criada, em 2015.

A pesquisa apontou que 18 estados apresentaram uma taxa de feminicídio acima da média nacional, de 1,4 mortes para cada 100 mil mulheres. Entre eles, o estado de Mato Grosso apresentou a maior taxa no ano passado, com 2,5 mulheres mortas por 100 mil. Entre 2015 e 2023, um total de 10,65 mil mulheres foram vítimas de feminicídio.

Afinal, por que esse é um problema que atinge muito mais as mulheres do que os homens no Brasil? A resposta é um tanto quanto óbvia, somos um País de bases extremamente patriarcais e machistas, o que significa dizer que, simbolicamente, as mulheres tendem a ocupar um lugar de inferioridade no tecido social e, por isso, são mais vulneráveis a todo tipo de violência. É pelo mesmo motivo que se torna, frequentemente, mais difícil para elas saírem ou evitarem situações de violência.

O psiquiatra austríaco Viktor Frankl fala de dois comportamentos humanos que favorecem a perpetuação de situações de violência: o conformismo e o totalitarismo. O primeiro (conformismo) é caracterizado pela aceitação sem oposição do que fazem conosco por não sabermos o que fazer. Já no segundo (totalitarismo), há uma imposição da vontade de um dos parceiros, desconsidera-se completamente a outra pessoa e suas as diferenças, não há empatia.

Assim, uma relação abusiva é necessariamente totalitária, já que uma das partes desconsidera deliberadamente a outra e a subjuga às suas vontades. É importante frisar que uma relação abusiva não começa declaradamente abusiva, ela vai construindo um domínio sobre o outro.

Inicialmente, há uma tendência ao encantamento, movimentos sedutores com elogios, agrados e dedicação quase exclusiva à pessoa. Posteriormente, vai-se havendo um controle em todas as instâncias da vida do outro: rede de relacionamento, vestimenta, lugares aonde vai, atividades de lazer, etc. Por fim, surgem as críticas, o menosprezo e os xingamentos, proibições no ir e vir, exclusão da convivência com amigos e familiares e agressões que podem escalar de humilhações psicológicas para físicas.

Há na vítima um sentimento em níveis variados de insegurança e inferioridade, além da baixa estima e da percepção distorcida da relação consigo, da relação e da realidade. O agressor costuma se manter em um patamar de alguém que “não faz por mal” ou “que exerce um cuidado além da conta” ou “que mudará”. 

Mesmo tendo a percepção do que está acontecendo, são muitos os fatores que podem dificultar para que a vítima saia de um relacionamento abusivo, tais como a dependência financeira, a dependência emocional, a pressão familiar, a pressão religiosa, o medo do que pode acontecer se denunciar e a falta de apoio social para sua emancipação.

Trata-se de uma problemática cultural no Brasil que deve implicar a todos nós, uma vez que estamos educando os nossos filhos e filhas a partir de como nos relacionamos em sociedade e da maneira como desenvolvemos e exercemos a nossa cidadania.

Políticas públicas de apoio a vítimas de abuso têm crescido no Brasil, contribuindo para a conscientização social e a introdução de novas perspectivas em nossa cultura. Graças a essas ações, cada vez mais pessoas têm buscado ajuda por meio dos serviços de saúde mental públicos e privados para construir novas relações e romper com o ciclo da violência.

Ainda assim, é preciso mais. Mais conscientização, mais políticas de educação e promoção social, mais iniciativas que nos aproximem pela via do afeto, da convivência com as diferenças, em que a perspectiva totalitária de um indivíduo ser subjugado pelo outro não faça mais sentido.

Assine o Correio do Estado

Artigo

Caminho da vida

08/06/2024 08h00

Continue Lendo...

Sabemos por meio das lições diárias que a vida nos oferece que, apesar das limitações intelectuais, nos encontramos sempre a caminho. Nada é definitivo. Tudo é passageiro. Tudo é vulnerável. Tudo em seus limites. E nós, míseros humanos, nos sentimos insaciáveis. Isso significa busca permanente de maneiras de viver.

Buscamos sempre caminhos possíveis. Buscamos sempre verdades que preencham o vazio da alma. Buscamos algo que consiga saciar a sede do eterno. Buscamos algo além do comum que consiga saciar a fome de amar e de ser amado, confiar e encontrar confiança, acreditar e ser acreditado.

Por esses assim chamados caminhos, ter a surpresa agradável de encontrar Deus e saborear sua grandeza de alma, sua generosidade no coração e sua misericórdia em suas mãos. Esse Deus de poucas palavras e de muito amor. Esse Deus de nada exigir e tudo doar na gratuidade. Esse Deus que não perturba, mas tudo renova.

Essa seria a imagem que todos e todas deveriam contemplar em seu interior. E deveria comunicar a tanta gente perdida nesse mundo por lhe faltar alguém que console na tristeza e lhe devolva a serenidade nos momentos amargos.

O Mestre dos mestres tantas vezes, em sua caminhada missionária, alertou a todos quantos quisessem segui-lo que não tivessem medo. O caminho, por vezes, se tornaria íngreme, o caminhar seria cansativo e desgastante. Era preciso coragem e confiança naquele que se encontrava no mesmo caminho.

A felicidade se encontra justamente nesse caminhar. Mas, apesar desse alerta, muitos desistiram e o abandonaram. Outros negaram reconhecê-lo e seguiram por outros caminhos. Outros o traíram e o condenaram. Outros juraram contra ele, o condenando à morte e morte de cruz.

A fidelidade de Deus viu-se transgredida e destruída. Mas ele não pensa em vingança, pensa em perdão e misericórdia, porque os humanos não entendem o amor divino. E isso poderia causar dificuldades, sem contar que Deus pode se aproximar da humanidade. Mas ele continua acreditar em uma convivência fiel.

O evangelista Marcos, em seus ensinamentos, mostra muito claramente as dificuldades que o Mestre estava encontrando para atender a tantos necessitados. Eram tantos que não sobrava espaço para o descanso e a alimentação. Revela o tanto que se dedicava e o tanto de desgaste por atender.

Mostra o tanto que seus seguidores deveriam aprender em esforço por acolher, atender e servir. Assim, hoje essas necessidades continuam e desafiam a generosidade dos também seguidores do Mestre dos mestres.

Mas o mundo de hoje tem maneiras diferentes de olhar as necessidades dos irmãos e das irmãs. Alegam que não sobra tempo para a caridade, não sobra tempo para a oração, não sobra tempo para a generosidade, não sobra tempo para a misericórdia. Não sobra tempo para Deus.

Entendemos que Deus terá que se contentar com as sobras de tempo. Terá que se contentar com as sobras de amor. Terá que se contar apenas com as sobras de bens a serviço da vida e da dignidade desses seres marginalizados e condenados a sobreviver com humanos e divinos.

Assine o Correio do Estado

NEWSLETTER

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo.

Fique Ligado

Para evitar que a nossa resposta seja recebida como SPAM, adicione endereço de

e-mail [email protected] na lista de remetentes confiáveis do seu e-mail (whitelist).