Artigos e Opinião

CORREIO DO ESTADO

Editorial desta segunda-feira: "Incômodo público"

Editorial desta segunda-feira: "Incômodo público"

DA REDAÇÃO

11/01/2016 - 00h00
Continue lendo...

É inadmissível que o projeto no Cabreúva possa ter passado por cinco administrações - três estaduais e duas municipais - e não tenha nem se aproximado da conclusão.

Pouco mais de duas décadas se passaram desde que o foi iniciado o projeto de construção da Estação Rodoviária de Campo Grande, no bairro Cabreúva, denominada Terminal Rodoviário Engenheiro Euclides de Oliveira.  Hoje, o prédio  inacabado  é  símbolo de anos de descaso, disputa política e falta de recursos  na conclusão de obras públicas. Uma área de 11 mil metros quadrados que poderia ser útil a população, mas que hoje representa até risco à saúde pública.

Na década de 1990, a localização escolhida era plausível. Em uma das várias ações judiciais que tinham a obra como tema de discussão, uma delas cita a região como uma “ilha isolada”, cercada pela avenida Ernesto Geisel, o Córrego Segredo e “os fundos da antiga via férrea, que futuramente será transformada na Avenida Morena”. A descrição consta em pedido de retomada da obra da rodoviária feito em 2005, feito pelo Ministério Público Estadual.  Passados dez anos, a paisagem local mudou, a Via Morena foi concluída e o desenho atual não favoreceria a implantação da rodoviária no local.

Além do crescimento da região, o desenvolvimento da cidade obrigou o abandono do projeto e a construção da estação rodoviária, hoje, na avenida Gury Marques, já que o antigo prédio, na região central, já não atendia a demanda. É inadmissível que o projeto no Cabreúva possa ter passado por cinco administrações - três estaduais e duas municipais - e não tenha nem se aproximado da conclusão. A mudança do projeto para a construção da Unidade Pantaneira de Arte e Cultura Regional, posteriomente denominado Centro de Belas Artes tampouco prosperou. A obra foi suspensa sob alegação de que os recusos estavam destinados a outro projeto, sendo considerado desvio de finalidade. Ao longo dos anos, gestores colocaram a culpa uns nos outros para a inoperância sistemática. Milhões foram desperdiçados durante vinte anos. Se fosse retomado qualquer empreendimento hoje, o gasto seria milionário, em decorrência da deterioração da estrutura erguida e abandonada há anos.

Para a população no entorno, é o convívio com o abandono, representando risco à saúde pública, por ser possível foco de criadouro de mosquito Aedes aegypti e risco à segurança. Para todos os cidadãos, fica sentimento de frustração, em ver o quanto de recurso público foi literalmente para o lixo com empreendimento tão grandioso que, pasmem, chegou a ter inauguração simbólica e inócua em 1994. Se algum dia ainda será útil aos moradores de Campo Grande, é icógnita. Espera-se que outros prédios públicos não tenham o mesmo destino. Atualmente, há 87 obras paradas na cidade, por falta de recursos, algumas, tão abandonadas quanto o que seria a rodoviária, como o Ceinf do  Jardim Radialista. Outras ainda tem salvação, mas a dependência de liberação de verbas que não se quando virão pode ser sinal de que  os empreendimentos ficarão tão deteriorados quanto o elefante branco no bairro Cabreúva.

 

ARTIGOS

Caminhos da vida

15/06/2024 07h30

Continue Lendo...

Nesse momento os mais diversos caminhos estão disponíveis a quem desejar descobrir certos segredos da natureza, encontrará caminho aberto e disponível. A alegria certamente se manifestará em sua grandeza e beleza. E a natureza se tornará mais fecunda e mais forte em suas manifestações.

Humildemente em suas manifestações e rica em lições mostrará ao ser humano o quanto é nobre qualquer gesto feito com amor. E a natureza é exemplo claro disso. Mostra toda a sua generosidade produzindo flores de todos os tamanhos, cores, perfumes e coloridos na mais nobre qualidade. Cada qual em seu lugar, sem interferir, sem abusar, sem brigar por um lugar ao sol.

Esse é o milagre permanente que essa natureza oferece para poetas, para literatos, para espiritualistas, para monges. Enfim para todos aqueles e aquelas que se sentirem apaixonados por essa irmã natureza. 

Não precisa ir longe. Em qualquer montanha, em qualquer planície, ou qualquer recanto desse mundo de Deus, é possível dar de encontro com algo que revele as maravilhas dessa natureza, criatura de Deus.

Seja qual for a maneira de olhar essa natureza, seja como for a interpretação dos sinais e das manifestações de uma flor, de uma singela semente, seja de um exuberante tronco, ou de uma frágil plantinha. Tudo fala, tudo revela algum valor. Tudo oferece seu modo de ser em auxílio  à humanidade.

O Mestre dos mestres, sempre atento às manifestações de suas obras em favor do bem do universo, vem nos revelar o quanto é nobre no servir, o quanto é forte ao sustentar sua alegria e o quanto é dedicado em proteger a todos aqueles e aquelas que perambulam pelos caminhos da vida.

Revela, com todo o carinho de um pai, o quanto Deus ama aquilo que faz parte de sua pessoa. Revela o ser humano como aquele que semeia a boa semente. E, após ter semeado, fica descansando. Deus cuida. Não precisa preocupar. A semente desabrocha. A chuva rega a terra. A semente se desenvolve e cresce.

Quando os frutos amadurecerem, o agricultor fará a colheita. Essas maravilhas se encontram escondidas no interior de qualquer árvore ou arbusto a produzir. Essas maravilhas são presentes de Deus. Estão à disposição de todos.

Essas maravilhas são tão ricas que chegam a despertar exclamações que enaltecem com elogios como esses: Que beleza! Que encanto! De fato, o encanto só poderá ser expressão de que ama e defende a mãe natureza com suas maravilhas.

Quando à figura de Deus, também deverá ser admirada, ou respeitada, pelas maravilhas semeadas pelos campos do universo. Não apenas para serem contempladas. Mas, principalmente aproveitadas no sustento de uma vida mais saudável e mais nobre. Sempre merece atenção, respeito e empenho no zelo dessas grandezas.

Mesmo que tudo isso se manifeste gratuitamente, é bom olhar com os olhos da fé o quanto o Criador ama suas criaturas. Enquanto elas dormem, ele trabalha. Enquanto elas descansam, ele vigia. E prepara novas sementes.

Assine o Correio do Estado

ARTIGOS

Insegurança e espiritualidade

14/06/2024 07h30

Continue Lendo...

O Nosso Cérebro é uma máquina de detectar padrões. Nosso senso de orientação depende disso. Isso pode ser percebido na hora que acordamos em uma cama ou local diferente do habitual: a primeira reação pode ser a de pânico, de onde estou? Imediatamente, começamos a reconstituir a memória do dia anterior, para descobrir onde estamos na hora de acordar.

Uma comédia famosa: “Se Beber, não Case”, é exatamente sobre isso, com amigos que acordam de uma bebedeira na despedida de solteiro de um deles; um está sem o dente, outro com uma tatuagem desconhecida e tem um tigre na sala. Eles investigam o que aconteceu e onde está o noivo, de preferência, antes do casamento.

Como uma máquina que detecta padrões, nossa rotina, nosso dia a dia, servem como orientação e apaziguamento de uma sensação que está no fundo de nossas experiências, que é a Insegurança. Somos e devemos ser inseguros porque nosso Cérebro é programado pela natureza para preservar a vida e passar adiante nossos genes. Insegurança é o que permite um escaneamento do ambiente para evitar ser atacado. E achar comida. Se der para arrumar um namoro, melhor ainda.

Um autor muito importante, John Bowlby, descreveu padrões de vínculo que já se manifestam na vida dos bebês. Para não estender o tema, digamos que os vínculos seguem dois padrões: crianças com vínculos Inseguros e Seguros. Eu diria vínculos (mal traduzidos para o Português como Apegos em décadas passadas) Inseguros e Menos Inseguros. Porque a Insegurança nos constitui e está em nosso DNA. Mas o Cérebro que cresce em ambiente mais enriquecido, afetivo e com regras definidas tende a ter uma relação mais segura com o mundo exterior. Isso não depende só do ambiente, mas da base genética também. O fato é que, quanto maior a sensação de insegurança, maior a dificuldade em se lidar com a vida, que é sempre mutável.


Lisa Miller, psicóloga e neurocientista de Yale, grita em todas as direções que a perda do senso de espiritualidade, ou mesmo onde falar de espiritualidade, no ambiente acadêmico ou leigo, imediatamente levanta a ideia que você é um carola ou fundamentalista, como um aiatolá disfarçado de cientista. Ela vai mais longe a fala que o banimento da ideia da espiritualidade no debate público vem aumentando nas pessoas a sensação de isolamento e de falta de sentido.

Eu anoto, nos meus prontuários, que eu espero que só eu leia, alguns casos em que o paciente sofre de uma Patologia de Sentido, em que a sensação de falta de caminho, de descolamento do mundo e de falta de algo que dê sentido, está muito vinculado a uma evolução pior da sua doença, seja um quadro ansioso, seja uma depressão, seja a perda de um ente querido. A sensação de desconexão está na base do que se chama hoje de “Doenças do Desespero”, como Depressão, Dependência Química e mesmo Suicídio.

Somos bombardeados pela necessidade permanente de Aquisição, e essa pode ser a maior doença do Capitalismo, que é a Ânsia de Aquisição. Em artigo anterior, sobre José Datrino, o Profeta Gentileza, mencionei a história desse homem, de origem muito simples, que ouviu um chamado espiritual nos anos sessenta e dedicou a sua vida a pregar a necessidade de amor e de gentileza nas ruas, nas praças. Numa entrevista, ele mencionou que ninguém mais amava ninguém, só queriam tirar vantagem e usar uns aos outros. Ganhou muito escárnio e algumas internações psiquiátricas, quando alguém achou que suas “vozes espirituais” era uma Psicose.

O que ele descreveu, entretanto, é uma doença coletiva, de tentar ter mais, ganhar mais. Essa doença foi piorada pelas redes sociais, em que o que vale é a foto, não a vivência. E, nas fotos, se eu postar um prato bacana, um carrão ou uma viagem exótica, então isso significa que minha vida é válida, e que eu estou na frente na corrida da aquisição.

Lisa Miller tem razão, ao meu ver, quando associa essa epidemia coletiva de medo, insegurança e mesmo de desespero à perda dessa sensação coletiva de pertencer e ser protegido por um grupo e um sistema de valores que nos proteja do egoísmo e isolamento digital em que vivemos.

Carl Jung, psiquiatra suíço e fundador da Psicologia Analítica, descreveu o Inconsciente Coletivo, uma camada do Inconsciente à qual todos pertencemos. Essa sensação de fazer parte da comunidade coletiva que dá uma sensação de pertencer. E uma sensação de regularidade do mundo. E de vínculo seguro. Estamos todos conectados nele, e não sabemos.

Nossa crise de significado está afetando as pessoas e suas transições na vida. Muitas vezes, com consequências desastrosas. Precisamos tirar a espiritualidade do Index de assuntos proibidos. Para ajudar o planeta e as pessoas que nele habitam.
 

Assine o Correio do Estado

NEWSLETTER

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo.

Fique Ligado

Para evitar que a nossa resposta seja recebida como SPAM, adicione endereço de

e-mail [email protected] na lista de remetentes confiáveis do seu e-mail (whitelist).