Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

INFRAESTRUTURA

Asfalto ruim é resultado de falta de fiscalização, diz engenheiro

Especialista explica que única solução para caos em todas as ruas é recapear e recuperar drenagem
22/02/2015 00:00 -


 

A qualidade do asfalto de Campo Grande foi condenada pelo  engenheiro civil Marcos Menezes Silveira, professor do Instituto Federal de Mato Grosso do Sul (IFMS), e que explicou que o número de buracos que a cada dia aumentam na Capital são consequência de obras sem fiscalização que ocasionaram diversos problemas que só agora vieram à tona. 

Segundo Marcos, a única forma de resolver o problema é a revitalização de todas as vias da cidade, principalmente as que não possuam drenagem. O especialista ainda disse que algumas ruas e avenidas não chegam aos dez anos de vida de útil sem deteriorações crateras, antes mesmo do prazo de garantia das obras, que é de cinco anos, assegurado por lei. 

Sobre o tapa-buracos, o engenheiro explicou que não há mais como continuar com o serviço, levando em conta que o asfalto já não suporta intervenções e em vários pontos a solução é a aplicação de uma nova camada asfáltica. De acordo com o especialista, em alguns casos o serviço de tapa-buraco deve existir, mas apenas como forma paleativa para evitar o surgimento das crateras. Segundo ele, com fiscalização constante, os buracos seriam tapados de forma correta. 

A reportagem, de Rosana Moura, está na edição de hoje do jornal Correio do Estado.

Felpuda


Mesmo sabendo que não é fácil conquistar a vitória, alguns políticos em pleno exercício do mandato disputam eleições, querendo trocar o Legislativo pelo Executivo e se dizendo preocupados com as necessidades do município. 

A jogada é antiga: fazem campanha eleitoral antecipada, pois vão tentar a reeleição, e começam a “trabalhar” o nome desde já. É bom lembrar o dito popular: “De boas intenções o inferno está cheio”. Ah, o poder!