Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

POSICIONAMENTO

Associação quer posicionamento definitivo do prefeito sobre novo local do lixão

Representantes participaram de reunião nesta terça-feira
07/07/2020 11:00 - Bruna Aquino


 

Mesmo depois do prefeito de Campo Grande, Marcos Trad (PSD), afirmar que a implantação do novo aterro sanitário da Capital em área protegida e de nascentes não vai sair do papel, moradores das regiões “escolhidas” que compõem a Associação Amigos das Águas da Bacia do Guariroba querem  posicionamento definitivo da prefeitura.  

Não contentes apenas com a afirmação do prefeito na mídia,  os moradores solicitaram uma reunião com Trad para mais explicações sobre o plano da CG Solurb, que aconteceu a portas fechadas nesta terça-feira (17) no Paço Municipal.  

De acordo com o representante e advogado dos Amigos do Guariroba, Charles Bernardi Altounian,  os moradores querem um posicionamento oficial do prefeito, garantindo que o aterro não será instalado nas regiões do relatório que é próximo da fazenda Santa Paz e o condomínio Terras do Golfe, que é a área escolhida pela concessionária.

“Fizemos um estudo com base na própria Planurb [Agência Municipal de Meio Ambiente e Planejamento Urbano] para mostrar ao prefeito que essas áreas terão manifestações expressas se houver esse aterro. Queremos que o prefeito se posicione oficialmente e de forma definitiva de que não haverá esse aterro. Além disso, vamos sugerir que o aterro fique na mesma região onde está hoje próximo à Gameleira”, disse.  

Conforme já publicado pelo Correio do Estado, Trad confirmou em agenda pública que o plano da CG Solurb seria indeferido pela prefeitura. “O primeiro parecer nosso dessa área é o indeferimento da Planurb ”, disse o prefeito, reafirmando a manifestação contrária ao Relatório de Impacto Ambiental (Rima).  

Conforme o prefeito, a escolha de três possíveis áreas pela concessionária está dentro que prevê o contrato, que determina que quando a Unidade de Tratamento de Resíduos (UTR) chega a uma capacidade limite, é necessário procurar outro local para construir um novo lixão.  “Tem que passar por essas fases, não adianta, vai ter que passar, porque assim diz a formalidade. Já tem três meses que está nisso aí”, conta.  

ENTENDA

Nos últimos dias a Solurb protocolou projeto para construir o novo aterro sanitário de Campo Grande na saída para Três Lagoas, próximo às áreas de proteção ambiental duas maiores captações de água da cidade, e na região de condomínios de luxo como Dhama, Shalom, Terras do Golfe e também de futuros empreendimentos de incorporadoras.  

O projeto substituirá o aterro Dom Antônio Barbosa II, localizado na saída para Sidrolândia. O novo empreendimento teria prazo de duração de 40 anos.  

O novo aterro sanitário vai receber o lixo não somente de Campo Grande, mas também de cidades da região como Bandeirantes, São Gabriel do Oeste, Jaraguari, Rio Negro, Corguinho, Dois Irmão do Buriti e Rochedo. A previsão é de que o volume chegue a pouco mais de 1 mil toneladas diárias.  

 

 

 

Felpuda


Apressadas que só, figurinhas tentaram se “apoderar” do protagonismo de decisão administrativa. Não ficaram sequer vermelhas quando se assanharam todas para dizer que tinham sido responsáveis pela assinatura de documento que, aliás, era uma medida estabelecida desde 2019. Quem viu o agito da dupla não pode deixar de se lembrar daquele pássaro da espécie Molothrus bonarienses, mais conhecido como chupim, mesmo. Afe!