Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

ATIVIDADE INDUSTRIAL

Atividade Industrial em MS volta ao mesmo patamar anterior ao COVID-19

Empresários celebram resultados e criam expectativas para os próximos meses
30/09/2020 16:00 - Alicia Miyashiro


A atividade industrial em Mato Grosso do Sul atingiu uma melhora pelo quarto mês consecutivo e o indicador de produção acumula, atualmente, uma alta de 22,3 pontos, confirmando o retorno do ramo ao estágio anterior à pandemia do novo coronavírus (Covid-19).

De acordo com o Índice Geral de Desempenho Industrial (IGDI), criado pelo Radar Industrial em parceria com a Fiems, no mês de agosto houve um aumento de 5 pontos em comparação ao mês de julho, chegando a 60,8 pontos.

O coordenador da Unidade de Economia, Estudos e Pesquisas da Fiems, Ezequiel Resende, informou que neste mesmo mês, 85% das indústrias do Estado registraram estabilidade ou crescimento da produção.

“Comparando com o mesmo mês do ano passado, essa participação foi superior em 5 pontos percentuais. Com esse desempenho, o índice de evolução da produção fechou agosto de 2020 em 60,8 pontos, indicando crescimento de 10,7 pontos sobre igual mês do ano anterior e de 9,6 pontos sobre a média histórica obtida para o mês”.

O economista também relata uma melhora na participação das empresas que contrataram, ficando acima de 10,9% para 26,6% no mesmo comparativo. “Condição que também se repetiu em relação à utilização da capacidade instalada, passando de 74% para 75%”.

Em relação às exportações, o índice chegou a 58 pontos, indicando que elas devem aumentar nos próximos seis meses a partir de setembro, se comparado ao mês anterior, a média apresentou uma melhora de 3,6 pontos.

 
 

IGDI

O IGDI é calculado a partir das pesquisas de Confiança e Sondagem Industrial, ele reflete a percepção do empresário em relação ao desempenho apresentado pela atividade industrial.

“Na elaboração, foram selecionadas cinco variáveis — emprego, investimento, produção industrial, utilização da capacidade instalada e confiança — e todas com peso de 20% na composição do Índice”, explicou o coordenador da Unidade de Economia, Estudos e Pesquisas da Fiems.

Em empregos na indústria, o IGDI aplica o percentual de estabelecimentos que aumentaram o número de empregados. Já na parte de investimento, o Índice considera a intenção de investimento para os próximos meses.

Nas produções, o percentual utilizado é o de indústrias com produção estável ou crescente, da utilização da capacidade instalada se pega o percentual médio e da confiança a base é o ICEI (Índice de Confiança do Empresário Industrial).

 

Felpuda


Como era de se esperar, as pesquisas mexeram nos ânimos de candidatos, principalmente daqueles que apareceram com índices pífios.

E assim, muitos deles certamente darão novo rumo às suas campanhas eleitorais.

A maioria, é claro, tenta mostrar otimismo, e o que mais se ouve por aí é que “agora o momento será de virada”.

Como disse atento e irônico observador: “Tem gente por aí que poderá virar, sim. Mas virar gozação!”. Ui...