Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

ESCOLAS ESTADUAIS

Aulas na rede estadual continuam suspensas até o fim de julho, diz governador

Governo está criando protocolos de segurança se aulas voltarem em agosto
25/06/2020 12:37 - Adriel Mattos, Bruna Aquino


 

Com o aumento dos casos da covid-19 provocado pela pandemia do novo coronavírus em Mato Grosso do Sul, as aulas — suspensas desde o dia 20 de março — vão continuar adiadas até o fim de julho na Rede Estadual de Ensino.

A decisão de adiar as aulas por mais um tempo, foi anunciada pelo governador do Estado, Reinaldo Azambuja (PSDB), durante a divulgação do boletim epidemiológico nesta quinta-feira (25), pelo Facebook.

“Não é possível retornar, a saúde nos mostra que está havendo um aumento exponencial de casos, e também, recomendamos que as escolas particulares façam o mesmo”, disse o governador.

Ainda segundo Azambuja, o Governo do Estado está criando protocolos de biossegurança, como turnos alterados e entrega de Equipamentos de Proteção Individual (EPI) para que “se possível” quando retornar às aulas após julho, os alunos e professores possam voltar às atividades com segurança.

Em Campo Grande, as aulas continuam suspensas pelo menos até a primeira quinzena do mês de julho, segundo informou o prefeito Marcos Trad (PSD).

Conforme o prefeito, no dia 14 de julho haverá nova reunião para debater novamente sobre a possível reabertura das escolas, mas o retorno presencial dependerá, principalmente, do achatamento da curva de casos e redução das taxas de ocupação dos leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI).

BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO
Segundo dados do boletim epidemiológico divulgado nesta quinta-feira, nas últimas 24 horas, 322 exames testaram positivos para o novo coronavírus covid-19. O número de casos confirmados da doença no Estado chega a 6.523. Foram registrados cinco óbitos, passando para 61 mortes pela doença em Mato Grosso do Sul. 
 

 

Felpuda


Lideranças de alguns partidos estão fazendo esforço da-que-les para fechar chapa com o número exigido por lei de 30% do total de vagas para as mulheres. Uma dessas legendas, por exemplo, tenta mostrar a “felicidade” das suas pré-candidatas, mas teme o fracasso, tendo em vista que o “chefe maior” é aquele que já mandou mulheres calarem a boca e disse também que a importância da sua então esposa na campanha eleitoral era porque apenas “dormia com ele”. Ô louco!