Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

AULAS PRESENCIAIS

Aulas nas escolas particulares podem voltar já em junho, diz prefeito

Discussão vem acontecendo há semanas e retorno pode estar próximo
25/05/2020 15:47 - Fábio Oruê


Escolas particulares de Campo Grande têm discutido a possibilidade do retorno há algumas semanas e nesta segunda-feira (25) o prefeito Marcos Trad (PSD) disse que o planejado é que elas sejam retomadas já no próximo mês. Até o momento 133 instituições de ensino privadas da Capital e do interior de Mato Grosso do Sul aderiram ao acordo de desconto nas mensalidades por conta das suspensão das aulas presenciais. 

“Nós fomos até o Ministério Público e há sim um planejamento para o mês de junho, mas não se sabe a data correta ainda”, contou Trad durante transmissão ao vivo. Segundo ele, o retorno das aulas presenciais é principalmente um pedido dos pais de alunos, que com a retomada do trabalho presencial, não tem onde deixar os filhos. 

Por isso, há algumas semanas, a prefeitura tem se reunido com representantes das escolas particulares, Ministério Público e órgãos de saúde para planejar o retorno das aulas, seguindo as recomendações de distanciamento e higiene dos locais. 

Para Trad essas escolas possuem algumas características que facilitam o retorno delas as atividades presenciais. “Apenas as escolas que atendem as séries iniciais, de 6 meses a 7 anos, e que sejam pequenos e com turmas de poucos alunos. Tem casos de salas com cinco, seis alunos”, havia explicado ao Correio do Estado.

Paralelo ao retorno, os pais também pediram que a revisão das mensalidades já que presencialidade está suspensa desde 24 de março. A Defensoria Pública e a Superintendência para Orientação e Defesa do Consumidor (Procon) do Estado e do município propuseram um termo de compromisso que prevê desconto de 10% a 25% nas mensalidades de escolas particulares e já teve a adesão de 133 instituições - das 296 cadastradas no Conselho Estadual de Educação - até esta segunda-feira. A escola que não aceitar o acordo responderá via ação judicial.

 
 

Felpuda


Comentários maldosos nos meios políticos dão conta que duas figurinhas que se rebelaram contra os próprios colegas poderão ficar no sereno político e, de forma indireta, serem personagens das próprias manifestações.

Um deles defendeu a redução do número de vereadores, e o outro disse ter vergonha de exercer o cargo. Agora enfrentam altos e baixos na campanha eleitoral.