Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

EPICENTRO DA PANDEMIA

Avanço do coronavírus causa discórdia entre prefeitos de MS

Prefeito de Rio Brilhante, que decretou lockdown, diz que Dourados “quer jogar a responsabilidade para os outros”
25/06/2020 07:30 - Daiany Albuquerque


 

Epicentro do novo coronavírus em Mato Grosso do Sul, com 2.150 casos confirmados, a cidade de Dourados tem fugido da implantação da quarentena, recomendada por especialistas por conta do aumento de casos. Agora, o município afirmou que tem a intenção de criar um Comitê regional, com todas as cidades que fazem parte da macrorregião, para tomada de decisões em conjunto.

“Houve uma análise técnica que leva a seguinte conclusão: de nada adianta tomarmos decisões apenas em Dourados, e isso não significa que os outros municípios não estejam tomando, mas é necessário que todos os municípios que estão na macrorregião, ou seja, os 33 que estão no entorno de Dourados passem a dialogar melhor entre si, e há uma ideia então de chamar todos esses municípios para participar de um comitê regional, para que as medidas de flexibilização, de endurecimento, sejam uniformizadas. É claro que há peculiaridades”, declarou Alexandre Mantovani, porta-voz do Comitê de Gestão de Crise do Coronavírus na cidade e também assessor especial da prefeitura.

Durante vídeo divulgado nas redes sociais da prefeitura, o porta-voz usa como exemplo a cobrança pelo fechamento da cidade e afirma que não adiantaria apenas o município tomar a decisão, se os outros também não o fizessem. 

“Do que adianta Dourados implantar lockdown, por exemplo, não estou dizendo que vai, se (citando outras cidades no entorno) não tomarem a mesma providência? Se a gente fecha Dourados, os outros municípios continuam abertos e os pacientes vão vir para cá. Então há necessidade que se busque melhoria no diálogo entre os 33 municípios”, continuou. O assessor também disse que a prefeita da cidade, Délia Razuk (PTB) já havia encaminhado ofício para os demais municípios sobre a ideia.

RIO BRILHANTE

Porém, para o prefeito de Rio Brilhante, Donato Lopes da Silva (PSDB), uma das cidades que tem Dourados como referência no atendimento médico e que decretou lockdown a partir de sexta-feira (26), isso mostra que a prefeitura do município vizinho quer “jogar responsabilidade para os outros municípios”.

“Primeiro tem que cuidar da minha casa, depois pensar no resto. Ela (prefeitura de Dourados) é responsável pelo núcleo de Dourados. Douradina, por exemplo, não tem nem hospital. Eles são cadastrados e ganham recurso federal para isso, se a gente não mandar para lá vai mandar para onde? Aqui em Rio Brilhante nós temos cinco respiradores, muitos dos nossos pacientes vão para lá porque tem que fazer exame que não tem aqui. Eu tenho sete pessoas internadas no hospital daqui. Isso é querer jogar responsabilidade para os outros municípios, eu estou fazendo a minha parte aqui desde o início para segurar e fazendo bem feito”, declarou o prefeito.

Durante o vídeo da prefeitura de Dourados, Mantovani cita que dados da prefeitura mostravam que em determinado dia havia 16 internados, sendo que metade não era da cidade.

Ainda segundo Silva, a situação em Rio Brilhante começou com quando um surto da doença foi registrado no frigorífico JBS, localizado em Dourados, mas que emprega quase 200 habitantes do seu município. Em testagem feita entre os servidores de lá que residem na cidade, 78 deram positivo. “Garanto que sem essa situação ia ser diferente o panorama aqui na cidade”.

Além de ter o maior número de casos, Dourados também é responsável pelo maior número de mortes, era 14 até a noite de quarta-feira (24). E só a sua microrregião, composta por outras 16 cidades, já contabilizavam 27 mortes ao todo, o que representava 46,5% do total de óbitos em Mato Grosso do Sul, que tinha 58.

Entretanto, nem todas as cidades pertencentes a macrorregião de Dourados estão na mesma situação que a cidade como, por exemplo, Japorã, que nem casos confirmados tem ainda da doença, ou Laguna Carapã e Eldorado, com apenas dois episódios.

 
VEJA TAMBÉM

Felpuda


Lideranças de alguns partidos estão fazendo esforço da-que-les para fechar chapa com o número exigido por lei de 30% do total de vagas para as mulheres. Uma dessas legendas, por exemplo, tenta mostrar a “felicidade” das suas pré-candidatas, mas teme o fracasso, tendo em vista que o “chefe maior” é aquele que já mandou mulheres calarem a boca e disse também que a importância da sua então esposa na campanha eleitoral era porque apenas “dormia com ele”. Ô louco!