Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

INADIMPLÊNCIA

Agências bancárias já pagaram mais de R$1 milhão em multas desde o início da pandemia

Irregularidades foram denunciadas pelos consumidores e checadas pelo Procon-MS
16/09/2020 11:18 - Gabrielle Tavares


Durante a pandemia, 19 redes bancarias que atuam em Mato Grosso do Sul já foram autuadas pela Superintendência para Orientação e Defesa do Consumidor (Procon/MS), por irregularidade.  

De março a setembro deste ano, foram 145 notificações, que resultaram em um valor de R$ 1.357.610,91 em multas, geradas após denúncias de consumidores e constatadas pelo órgão.

As infrações foram decorrentes a desobediências ao Código de Defesa do Consumidor, em sua maioria, a espera excessiva por atendimento.  

Também houve ocorrências de descumprimento à legislação estadual que determina atendimento prioritário a gestantes, nutrizes, idosos, pessoas com necessidades especiais e portadores de autismo.

Agências

A agência que mais recebeu penalidades foi a Caixa Econômica Federal, com 29 ocorrências e aplicação R$ 317.495,61 em multas, equivalentes a 9.981 Unidades Fiscal Estadual de Referência de Mato Grosso do Sul (UFERMS).

Em segundo lugar foi o Santander, que recebeu 26 denúncias, tendo sido arbitradas R$ 256.237,30 em multas (8.030 UFERMS).

Em relação ao Bradesco foram 23 registros, que geraram R$ 229.113,80 em multas, 7.180 UFERMS.

O levantamento também mostra o Banco do Brasil e o BMG com 18 notificações cada; Itaú, com 6; e Panamericano e Sicredi, com quatro cada um.

Além destes, outros 11 bancos também foram notificados e multados, apesar de cometerem número menor de infrações.

Os valores serão recolhidos ao Fundo Estadual de Defesa do Consumidor.

 
 

Felpuda


A lista do Tribunal de Contas de MS, com nomes de gestores que tiveram reprovados os balanços financeiros de quando exerceram cargos públicos, está deixando muitos candidatos de cabeça quente.  Conforme previsto pelo Diálogo, adversários estão se utilizando de tais dados para cobrar, principalmente nas redes sociais, deixando alguns gestores na maior saia justa e tendo que se explicar. O eleitor, por enquanto, só observa. E dê-lhe!