Clique aqui e acompanhe o resultado das Eleições 2020

SAÚDE

Brasil chega a 162 mil mortes por covid-19

Problema no e-sus prejudica divulgação de dados sobre a doença
06/11/2020 23:05 - Agência Brasil


O Ministério da Saúde teve problemas técnicos que o impediram de obter alguns dados atualizados. 

Dentre eles, os dados de pessoas recuperadas. Desta forma, os últimos dados a respeito são da última quarta-feira (4), 5.064.344 (90,6%). O ministério também não pôde atualizar os dados de alguns estados, dentre eles São Paulo, o estado mais afetado pelo novo coronavírus no Brasil.

Por meio de nota, o ministério informou que "nesta sexta-feira (6), identificou incidente em páginas web, o que desconfigurou layouts. A questão está sendo tratada pela equipe do DataSUS, e as páginas estão sendo restabelecidas. Não foram afetados os dados nem os servidores da pasta, que estão preservados pelas medidas de segurança adotadas." 

A pasta também disse que "está revisando todas as camadas de segurança dos sistemas de Informação do Sistema Único de Saúde (SUS), o que pode ocasionar intermitência nos sistemas e na disseminação de informações da saúde durante o fim de semana, com previsão de término até o próximo domingo (8).

O balanço divulgado hoje (6) pelo Ministério da Saúde mostra 18.862 novos casos de covid-19 nas últimas 24 horas. 

Já são 5.631.181 casos acumulados desde o começo da pandemia. Além disso, foram registradas mais 279 mortes, totalizando 162.015.

Covid-19 nos estados

Os dados de São Paulo também não foram atualizados, sendo os últimos números de ontem. Ainda assim, o estado continua muito à frente em número de casos (1.125.936) e mortes (39.717). Os outros estados com maior número de casos no país são Minas Gerais (366.303) e Bahia (361.136).

O Rio de Janeiro, com 20.849 óbitos, é o segundo estado nesse quesito, atrás de São Paulo. Ceará, com 9.393, e Minas Gerais, com 9.199, aparecem na sequência.

 
 

Felpuda


Esforços vêm sendo feitos por certos candidatos derrotados na tentativa de conseguir emplacar em cargos públicos comissionados alguns ex-integrantes das equipes de trabalho da campanha eleitoral.

A preocupação não seria, na realidade, com situação de dificuldades que essas pessoas enfrentariam a partir de agora, mas, sim, para livrarem-se de pagar pendências trabalhistas referentes ao período da disputa. Tem cada uma!