Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

CALOR

Sem chuva, calor extremo faz companhia para sul-mato-grossenses neste fim de semana

Onda de calor deve permanecer até o feriado de Divisão do Estado, em 11 de outubro
03/10/2020 16:20 - Carol Alencar Cozzatti


Há mais de três dias, cidades sul-mato-grossenses têm figurado no topo da lista de regiões mais quentes do País no monitoramento do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet). Para se ter uma ideia, na última quinta-feira (1), Água Clara registrou a maior temperatura do Brasil com 44,4°C.  

O calor com temperaturas em torno dos 40°C se tornou característica comum da primavera no Brasil, especialmente nas regiões centro-oeste, norte e nordeste. As condições registradas têm batido recordes históricos de calor.

Essa intensa onda de calor deve ser ligeiramente amenizada com a chegada da chuva a partir do dia 11 de outubro, feriado de criação de Mato Grosso do Sul. As informações repassadas pelo meteorologista da Uniderp, Natálio Abraão, são de que a chuva pode chegar em formato de pancadas e ventos fortes.

 

 
 

Previsão domingo

O domingo (4) será de muito sol em todas as regiões do Estado. A máxima registrada pelo Inmet é de 40º com mínima de 25º.

A umidade relativa do ar estará muito baixa à tarde, considerado estado de alerta com tendência a emergência segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS). A variação na umidade relativa do ar está estimada entre 50% a 10%, podendo ter picos abaixo de 10% nas regiões norte e bolsão.

Nesse nível crítico de umidade do ar, recomenda-se ingerir bastante líquido, evitar atividades físicas, evite exposição ao sol nas horas mais quentes do dia, usar hidratante corporal e umectar ambientes com umidificadores, bacia com água ou toalhas molhadas. Os cuidados com a saúde incluem não atear fogo em terrenos baldios e não jogar bitucas de cigarro na natureza.

 

Felpuda


Questão de família acabou descambando para o lado da política, e a confusão já é do conhecimento público. 

A queda de braço tem como foco a troca de apoio político que, de um, foi para outro. Sem contar as ameaças de denúncia da figura central do imbróglio. 

A continuar assim, há quem diga que nenhum dos dois candidatos a vereador envolvidos na história conseguirá ser eleito. Barraco é pouco!