Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

CORONAVÍRUS

Camelódromo terá triagem com termômetro para permitir entrada de clientes

Centro comercial foi reaberto hoje, com sistema de rodizio de boxes e 30 clientes por vez
08/04/2020 15:30 - Glaucea Vaccari


 

Fechado há 17 dias, o Camelódromo de Campo Grande voltou a funcionar nesta quarta-feira (8), em sistema de rodízio, com funcionamento diário de apenas 140 dos 473 existentes no centro comercial e entrada de apenas 30 clientes por vez, que será liberada após triagem com medição de temperatura.  

Para reabrir, o local precisou se adequar a uma série de regras e protocolos solicitados pela prefeitura, como medidas para evitar aglomeração, reforçar higienização e garantir distanciamento entre os consumidores que frequentam o espaço. Ontem, o camelódromo passou por desinfecção total.

Conforme o Plano de Contingenciamento do Camelódromo, aprovado pelo Comitê Municipal de Enfrentamento da Covid-19, o sistema de rodízio e a liberação de 30 clientes por vez visam garantir o distanciamento mínimo de 1,5 metro entre as pessoas.

Entre os boxes, a abertura será de um, enquanto os dois que ficam ao lado permanecem fechados, e assim sucessivamente, objetivando distância de dois metros entre os pontos de funcionamento.  

Entrada está sendo feita apenas pelo portão 6, localizado na Avenida Afonso Pena, e a saída pelo portão 4, na rua 15 de novembro. Em ambos, deverá ser feita a higienização das mãos e braços com álcool em gel 70%.

Funcionários e comerciantes devem trabalhar usando máscara e os que são do grupo de risco estão proibidos e devem ficar em casa.  

Entre as regras estabelecidas pela Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Desenvolvimento Urbano (Semadur) também está a exposição de banners educativos sobre os cuidados para evitar o contágio do coronavírus.

 

Felpuda


Alguns pré-candidatos que estão de olho em uma cadeira de vereador vêm apostando apenas nas redes sociais, esperançosos na conquistados votos suficientes para se elegerem. A maioria pede apoio financeiro para continuar mantendo suas respectivas páginas, frisando que não aceita dinheiro público ou de político, fazendo com que alguns se lembrem daquela famosa marchinha de carnaval: “Ei, você aí, me dá um dinheiro aí, me dá um dinheiro aí...”. Como diria vovó: “Essa gente perdeu o rumo e o prumo”.