Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

AR POLAR

Campo Grande pode marcar menor temperatura do ano na quinta-feira

Temperaturas devem baixar ainda mais em Mato Grosso do Sul por conta de ar frio de origem polar
02/07/2020 14:41 - Fábio Oruê


Ar frio de origem polar que está voltando a se espalhar sobre o centro-sul do Brasil causará intensa queda da temperatura em Campo Grande nestes primeiros dias de julho. Este ar polar começou a se espalhar sobre o Brasil ontem (1º) e nesta quinta-feira (2) atua com mais força nesta região - a Capital pode registrar a menor temperatura do ano até agora.

Conforme divulgado pelo Climatempo, durante a madrugada de hoje a temperatura já estava bastante baixa e com potencial para congelamento formando a geada em muitas áreas no sul de Mato Grosso do Sul e também no sudoeste/sul de São Paulo e na serra da Mantiqueira.

Segundo a medição no Inmet, a menor temperatura na Capital até o dia 1º de julho era de 9,2°C, em 7 de maio. Para amanhã, a temperatura mínima prevista é de 9ºC e para sexta-feira (3) é de 8ºC, com possibilidade de nevoeiro. 

A meteorologia já previa um grande frio para a região sul do Brasil e que poderia chegar em parte de Mato Grosso do Sul após a passagem do “ciclone-bomba”. Por exemplo, na serra de Santa Catarina, a temperatura hoje estava marcando valores abaixo de 0°C e continuava em declínio até o início da manhã.

Alguma precipitação de inverno - como chuva congelada ou neve - que ocorrer será em pequenas áreas, nos pontos mais elevados da serra gaúcha e catarinense.

Temperaturas abaixo de 0°C devem ocorrer na passagem desta massa polar sobre o Sul do Brasil, mas é possível que a serra da Mantiqueira, no Sudeste, também registre marcas negativas. Segundo o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), a temperatura em Amambai pode chegar a 3,8°C.

*Matéria alterada às 15h08 para correção de informação.

 
 

Felpuda


Dia desses, há quem tenha se lembrado de opositor ferrenho – em público –, contra governante da época, mas que não deixava de frequentar a fazenda de “sua vítima” sempre que possível e longe dos olhos populares. Por lá, dizem, riam que só do fictício enfrentamento de ambos, que atraía atenção e votos. E quem se lembrou da antiga história garantiu que hoje ela vem se repetindo, tendo duas figurinhas carimbadas nos papéis principais. Ô louco!