Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

PANDEMIA

Campo Grande tem 51 leitos de UTI vagos e deve instalar mais 10 nesta semana

Desde o início da pandemia, foram disponibilizados 169 novos leitos, entre instalação e contratualização
06/08/2020 10:01 - Glaucea Vaccari


Dez novos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) foram ativados, nesta quarta-feira (5), no Hospital Regional de Mato Grosso do Sul, referência no atendimento da Covid-19, aumentando a capacidade de internação de pacientes graves em Campo Grande. 

Com a ativação destes novos leitos, em parceria entre a prefeitura e o governo do Estado, Mato Grosso do Sul dispõe, no total, de 285 leitos de UTI, entre ocupados e desocupados.

Dados da Divisão de Monitoramento Hospitalar da Secretaria Municipal de Saúde (Sesau), até ontem, taxa de ocupação de leitos de UTI em Campo Grande estava em 82%, com 51 vagos dos 285 disponíveis.

Conforme o Executivo municipal, no início do ano havia 116 leitos na Capital, mas devido à pandemia, a capacidade mais que dobrou, com abertura de novos e contratualização de leitos na rede pública, privada e filantrópica.  

A disponibilidade de leitos de UTI é primordial para atender adequadamente pacientes em estado grave da Covid-19, além de outras doenças ou condições críticas que demandem internação, e evitar o colapso da Saúde.

No Hospital Regional, onde ocupação está acima de 90%, previsão é que mais 10 leitos sejam implementados na próxima semana, além de mais 10 no hospital Adventista do Pênfigo até o fim do mês.

Assessor especial do Ministério da Saúde, Airton Cascavel, esteve em Campo Grande na semana e entregou 40 novos respiradores, que poderão ser utilizados para equipar novos leitos, além de garantir a vinda de mais 20.

A implementação ou como serão utilizados os equipamentos ainda estão sendo estudadas pelas secretarias de Saúde estadual e municipal.

Para conseguir ampliar o número de vagas, além da estrutura, também é necessário que haja profissionais capacitados para o setor, que estão em falta neste momento da Capital. Para aumentar o número de médicos intensivistas, que são 76 em Campo Grande, a prefeitura deverá ir atrás de servidores que estão no interior, segundo o prefeito Marcos Trad (PSD).

 
 

Felpuda


Figurinha está trabalhando intensamente para tentar eleger a esposa como prefeita de município do interior.

Até aí, uma iniciativa elogiável. Uns e outros, porém, têm dito por aí que seria de bom tom ele não ensinar a ela, caso seja eleita, como tentar fraudar folha de frequência de servidores. 

Afinal, assim como ele foi flagrado em conversa a respeito com outro colega, não seria nada recomendável e poderia trazer sérias consequências. Só!