Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

ISOLAMENTO EM QUEDA

Campo Grande tem queda na taxa de isolamento no primeiro fim de semana de agosto

Piora foi notada em todos os dias da última semana em que vigorava o decreto antigo
03/08/2020 13:00 - Rodrigo Almeida


As novas diretrizes do governo municipal para a abertura do comércio fizeram pressão sobre a taxa de isolamento de Campo Grande, monitorada pelo governo do Estado.

No final de semana em que o novo decreto municipal entrou em vigor, a cidade teve queda de quatro pontos percentuais em relação o final de semana dos dias 26 e 25, os últimos do semi-lockdown.

A Capital atingiu 39,8% de isolamento no sábado, 1, e 46,9% no domingo, 2. Como reportado pelo Correio do Estado, o isolamento do domingo passado, 26, marcou 49,4%. Já no sábado, 25, foi de 44,1%. 

De acordo com o prefeito Marcos Trad (PSD), em declaração feita em uma live, as medidas foram relaxadas porque o decreto anterior não surtiu o efeito esperado.

Durante os dias de semana, Campo Grande não conseguiu passar de 37% de taxa de isolamento. Muito abaixo dos 60% recomendados pela Organização Mundial da Saúde (OMS), a segunda-feira dia 27, foi o melhor dia com 37% de isolamento.

Em julho, o prefeito decretou um semi-lockdown por dois fins de semana consecutivos, e toque de recolher depois das 20h todos os dias até o 31. 

Apesar de a pandemia avançar no estado, e principalmente na Capital, que se tornou uma das cidades mais afetadas no país, na quinta-feira, 30, Marcos Trad decidiu liberar o comércio aos finais de semana e expandir o toque para depois das 21h. 

Confira todos dos dados dos últimos sete dias

  • 02/08 - 46,9%
  • 01/08 - 39,8%
  • 31/07 - 36,3%
  • 30/07 - 36,6%
  • 29/07 - 36,4%
  • 28/07 - 36,8%
  • 27/07 - 37,0%
 
 

Felpuda


A lista do Tribunal de Contas de MS, com nomes de gestores que tiveram reprovados os balanços financeiros de quando exerceram cargos públicos, está deixando muitos candidatos de cabeça quente.  Conforme previsto pelo Diálogo, adversários estão se utilizando de tais dados para cobrar, principalmente nas redes sociais, deixando alguns gestores na maior saia justa e tendo que se explicar. O eleitor, por enquanto, só observa. E dê-lhe!