Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

PRAÇA DA REPÚBLICA

Campo-grandense é encontrado morto <br>com sinais de violência em São Paulo

Vítima tinha sido vista pela última vez domingo, ao sair para pular carnaval
08/02/2018 06:35 - RENAN NUCCI


 

O campo-grandense Bruno Lima da Silva, de 30 anos, foi encontrado morto com sinais de espancamento na terça-feira, na Praça da República, região central de São Paulo, depois de sair para pular carnaval. A suspeita é de que o rapaz tenha sido agredido durante roubo. A hipótese foi reforçada porque o pai recebeu no celular mensagens sobre transações financeiras no cartão de crédito do filho, quando ele já estava desaparecido. A Polícia Civil investiga o caso.

De acordo com o Globo.com, Bruno morava em São Paulo há seis meses para cuidar do pai que mudou-se para a capital paulista para fazer um transplante de fígado. O rapaz foi visto pela última vez por volta das 16h15 de domingo, ao avisar que iria para um bloco na Avenida Paulista e, desde então, não deu mais notícias.  

Bruno estava sem celular, pois seu aparelho havia sido roubado. O pai disse que no domingo recebeu mensagem em seu telefone da operadora de cartão de crédito, informando sobre compra no valor de R$ 3 mil no cartão de Bruno. Na madrugada de segunda-feira, outra mensagem apontava para tentativa de compra de R$ 1 mil.

Na terça-feira, a família foi informada que o corpo de Bruno havia sido encontrado na Praça da República. O pai fez o reconhecimento no Instituto Médico Legal (IML) Central de São Paulo. A vítima está sendo velada no Cemitério Parque das Primaveras, em Campo Grande, e o sepultamento está previsto para hoje à tarde.
 

Felpuda


Depois de se “leiloar” durante meses, e afirmando que estava até escolhendo o município para se candidatar a prefeito, ex-cabeça coroada não só não recebeu acenos amistosos, como também não encontrou portas abertas com tapete vermelho a esperá-lo. 

Assim, deverá pendurar as chuteiras e fazer como cardume em seu pesqueiro: nada, nada...