Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

SAÚDE

Capital tem aumento da demanda em unidades de saúde

Entretanto, maioria dos casos não são relacionados a sintomas respiratórios
11/05/2020 02:00 - Daiany Albuquerque


 

Em meio ao aumento de casos da Covid-19 em Mato Grosso do Sul, Campo Grande também apresenta aumento na demanda de unidades de saúde e a maior parte dos pacientes apresentam algum sintoma de síndromes gripais. Só na sexta-feira (8), 13 pessoas foram atendidas no Centro de Triagem, localizado no Parque Ayrton Senna.

Conforme o relatório dos atendimentos do Centro de Triagem, divulgado pela Secretaria Municipal de Saúde (Sesau), do total de pessoas atendidas na sexta-feira, oito foram considerados casos suspeitos do novo coronavírus. Os pacientes tinham de 32 a 60 anos, sendo dois homem e quatro mulheres e a maioria não tinha nenhuma comorbidade. Todos foram liberados para suas residências.

Do dia 10 de abril até a sexta-feira foram atendidas 350 pessoas no Centro de Triagem, sendo que desses, a maior parte (202) foram considerados casos suspeitos da doença. Desses, 179 foram liberados para retornarem a sua residência, mas 140 foram orientados a permanecerem em isolamento domiciliar, enquanto 31 foram encaminhados para outro serviço de saúde.

A maior parte das pessoas que procuraram atendimento no Centro de Triagem apresentavam tosse como principal sintoma, sendo 194 pessoas. Outras 181 tinham só ou também a febre, e a cefaleia foi encontrada em 163 pessoas atendidas. Algo curioso, porém, é que dos atendidos nesse período, 24 não apresentavam nenhum sintoma.

No local também foram feitos testes rápidos de Covid-19 em 74 pessoas, sendo que uma recebeu resultado positivo para a doença.

Já nas unidades de saúde, diferente do que havia acontecido no início da pandemia, com a redução da procura pelo atendimento nesses locais, esses números voltaram a aumentar nas últimas semanas, mas a maioria dos casos ainda é de pacientes com sintomas não respiratórios, cerca de 60%.

De acordo com o coordenador de urgência da Sesau, Yama Higa, no início das medidas de isolamento, o atendimento geral nas unidades de saúde chegou a cair 55%, entretanto, nos dois fins de semana de maio houve um aumento de 15% em relação a esse período.

“Os atendimentos continuam baixos, mas vimos aí um pequeno aumento nos últimos dias. A maior parte é de atendimento de casos de dengue e não chega a 10% de pacientes com queixas respiratórias, muito por conta da paralisação das aulas. Até as viroses, que são predominantes nessa época do ano caíram”, explicou Higa.

Para o coordenador, esse aumento se deve a “perda do medo” por parte da população para ir às unidades de saúde.

 

Felpuda


Como era de se esperar, as pesquisas mexeram nos ânimos de candidatos, principalmente daqueles que apareceram com índices pífios.

E assim, muitos deles certamente darão novo rumo às suas campanhas eleitorais.

A maioria, é claro, tenta mostrar otimismo, e o que mais se ouve por aí é que “agora o momento será de virada”.

Como disse atento e irônico observador: “Tem gente por aí que poderá virar, sim. Mas virar gozação!”. Ui...