Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

CAMPO GRANDE

Capital tem mais uma morte por coronavírus e 15 sepultamentos sem velório

Covid-19 pode ter feito mais uma vítima, o que elevaria o total para três
14/04/2020 09:00 - Natalia Yahn


 

Mais uma morte que pode ter sido provocadas pela Covid-19 em Campo Grande é investigada pelas autoridades de saúde.  

Além desta investigação, desde os primeiros casos confirmados da doença em Mato Grosso do Sul, no dia 14 de março, outras 15 pessoas foram sepultadas em Campo Grande com protocolo de suspeita da Covid-19, de acordo com dados do Sindicato das Empresas do Segmento Funerário no Estado (Sindef-MS).

Uma das vítimas da Capital não teve a idade revelada. Uma outra, que tem 18 anos e era tido como caso suspeito, testou negativo para Covid-19 na noite de segunda-feira (13). A vítima que ainda é investigada morreu no sábado (11) e deveria ter sido sepultada no Cemitério Santo Amaro ontem (13) às 8h. Mas o sepultamento direto, sem velório, não ocorreu até o fim da tarde de segunda-feira. O corpo estava no Instituto de Medicina e Odontologia Legal (IMOL), na Capital, para coleta de material e identificação do novo coronavírus.

O caso que era suspeito da Covid-19,, mas foi descartado é o de Jenifer Tais Rodrigues de Morais, de 18 anos, que morreu na noite de domingo (12), no Centro Regional de Saúde (CRS) Tiradentes. Ela tinha bronquite asmática e por conta de uma crise, foi levada a unidade de saúde. Por ter sido vítima de síndrome respiratória todos os protocolos são seguidos, para confirmar a doença e também relativo ao sepultamento. A denúncia da família, de que a jovem sofreu reação alérgica da medicação que foi dada a ela na unidade de saúde será investigada, de acordo com a Sesau.

Se a morte da garota que deve ser sepultada nesta terça-feira (14) for confirmada, a quantidade de mortes provocadas pela Covid-19 na Capital. Até ontem eram dois óbitos confirmados. A primeira morte confirmada pela doença foi na madrugada de domingo (12) no Hospital Regional (HRMS). A paciente, uma mulher de 71 anos, tinha problemas cardíacos e diabetes.  

O caso foi confirmado apenas ontem (13), mesmo dia que morreu outra mulher, de 62 anos no Hospital da Unimed. Ela estava internada no local desde o dia 28 de março, e já tinha confirmação da doença. Ela tinha câncer e estava na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) desde o dia 1° de abril. Após nove dias respirando com ajuda de aparelhos, ela saiu da ventilação mecânica na quinta-feira (9), mas continuou internada na UTI. Porém ontem apresentou piora significativa e morreu. O marido dela, que é cadeirante, também está com Covid-19 e em internação clínica no mesmo hospital.

“A gente tem dois óbitos já em Campo Grande, outros em investigação. Agora todo óbito que acontece ele acaba em investigação. Então todas as pessoas que morrerem vão ter que ter avaliação em relação ao Covid”, afirmou o titular da Sesau, José Mauro de Castro Filho.

 
 

OUTROS CASOS

Os sepultamentos de pessoas que morreram com suspeita no interior não foi divulgado. A Sesau informou que os casos suspeitos de Covid-19, de pessoas em tratamento e os óbitos, são listados juntos. Mas até ontem nenhum óbito suspeito teve confirmação da doença, apenas as duas pacientes idosas que já tinham diagnóstico E estavam internadas.

“Foram entre dez e 15 mortes de pessoas com suspeita da Covid-19, que a gente acompanhou. São casos que as empresas funerárias tiveram que tomar todo o cuidado para sepultar. Mas não houve nada oficial. Nossa orientação para as famílias é de não fazer velório. Mas nos casos supeitos a gente tem que ter cuidado, porque vai que depois o caso não é confirmado? Pode dar problema”, explicou o presidente da entidade, Gilvan Paes.

A reportagem levantou que no fim de semana pelo menos outras duas pessoas morreram e foram sepultadas com o protocolo de contaminação do novo coronavírus, ambas no domingo (12). Em todos os casos o sepultamento direto foi estabelecido.

Uma das vítimas que morreu no domingo foi sepultada no mesmo dia no Cemitério Nacional Parque, nas Moreninhas. No mesmo local outra vítima que morreu no domingo (12), um homem, foi sepultado ontem (13), às 8h. O terceiro óbito do fim de semana, com indicação de sepultamento direto, é o da mulher que não teve a idade divulgada e morreu no sábado  (11).

A reportagem apurou junto as funerárias da Capital, que os corpos das pessoas que morrem com suspeita ou confirmação da Covid-19 chegam lacrados com dois plásticos diferentes. É autorizado apenas colocar o corpo no caixão e fazer o enterro, sem velório.

“Se a família insistir em fazer o velório, bater o pé, a gente avisa a vigilância sanitária.  Não temos poder de polícia. Mas a orientação é para não fazer velório. E a gente age da mesma forma caso confirmado e suspeito. Em outros casos, de outros tipos de morte a orientação é para que fiquem até dez pessoas por vez no máximo na local do velório”, explicou Paes.

Com 15 empresas funerárias, Campo Grande tem em média 450 óbitos por mês. E mesmo que os casos aumentem a cidade tem capacidade para atender até o triplo de óbitos. “Estamos preparados. Caso chegue a 900, ou mesmo que seja três vezes maior a quantidade de mortes, que acredito e peço para que não aconteça isso, temos capacidade de atender. Tanto em urna, capela, veículo e gavetas”, finaliza o representante das funerárias.

(Colaborou Daiany Albuquerque)

Felpuda


A lista do Tribunal  de Contas de MS,  com nomes de gestores que tiveram reprovados os balanços financeiros  de quando exerceram cargos públicos,  está deixando  muitos candidatos de cabeça quente.  Conforme previsto  pelo Diálogo, adversários estão se utilizando de tais dados para cobrar, principalmente nas redes sociais, deixando alguns gestores na maior saia justa e tendo que se explicar. O eleitor, por enquanto, só observa. E dê-lhe!