Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

COVID-19

Capital tem máscaras jogadas na rua; Veja como fazer o descarte correto

Descarte regular evita contaminação por coronavírus; Veja também como higienizar máscara de tecido
26/04/2020 15:34 - Glaucea Vaccari


 

O uso de máscaras é recomendado para diminuir o risco de contaminação pelo coronavírus, tanto em pacientes já confirmados com a doença, que devem usar a máscara cirúrgica, quanto para pessoas saudáveis, para evitar infecção, sendo recomendado, neste caso, o uso da máscara de tecudo. No entanto, muitas máscaras estão sendo descartadas irregularmente, aumentando o risco de contágio.  

Em uma volta rápida no Centro de Campo Grande, neste domingo, Correio do Estado encontrou máscaras jogadas no chão, no meio da calçada ou na rua, o que é irregular e aumenta o risco de infecção, já que o equipamento pode estar contaminado e outras pessoas acabarem tendo contato. 

Conforme orientações da Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental,o jeito certo e seguro para o descarte dos equipamentos usados pela população é isolar o item após o uso em sacolas plásticas e descartar no lixo.  

Manual de conduta para enfrentamento da Covid-19, elaborado pela Secretaria de Saúde de Mato Grosso do Sul, orienta que após o uso, máscara deve ser removida usando a técnica apropriada, ou seja, não tocar na frente e remover soltando as amarras ou elástico nas laterais, e descartá-las imediatamente.  

Recomendação é que o item seja colocado dentro de dois sacos plásticos, um dentro do outro, ou seja, colocar a máscara dentro de um saquinho, amarrar, e colocar dentro de outro, descartando depois no lixo, preferencialmente do banheiro, que por não ser reciclável não terá contato com outras pessoas. Na sequência, deve-se lavar as mãos usando água e sabão ou preparação desinfetante e álcool em gel.  

No caso de máscaras usadas em hospitais, segundo o regulamento técnico para gerenciamento de resíduo da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), os equipamentos de proteção individual devem ser descartados em “lixo infectante”, em compartimentos adequados e em lixeiras de metal com tampa e pedal.  

Máscaras de tecido também devem ser retiradas pelas amarras laterais e lavadas sempre depois de utilizadas. Lavagem pode ser feita normalmente, com água e sabão, ou deixar de molho, por 30 minutos, numa solução de água com água sanitária. É recomendado também levar uma máscara extra, para caso o item fique úmido a pessoa possa trocá-la. Nestes casos, a máscara deve ser colocada também em um saco plástico até que o cidadão chegue em casa e possa lavá-la. 

Máscaras úmidas, sujas, rasgadas, amassadas ou com vincos, devem ser imediatamente descartadas.

Recomendação da Organização Mundial da Saúde, Ministério da Saúde e Secretarias de Saúde é que a máscara é apenas um item a mais para evitar o contágio, mas não se deve ter a falsa sensação de segurança que leve a não adesão de outras medidas preventivas, como distanciamento físico, higiene das mãos e protocolos em caso de tosses ou espirros. 

 

Felpuda


É quase certo que a aposentadoria deverá ocorrer de maneira mais rápida do que se pensava em determinado órgão. O que deveria ser a tal ordem natural dos fatos acabou sendo atropelada por acontecimentos considerados danosos para a imagem da instituição. Os dias estão passando, o cerco apertando e já é praticamente unanimidade de que a cadeira terá de ter substituto. Mas, pelo que se ouve, a escolha não deverá ser com flores e bombons de grife.