Clique aqui e acompanhe o resultado das Eleições 2020

PANDEMIA

Casos de Covid-19 continuam em oscilação e feriado prolongado preocupa

Nas últimas 24 horas, foram 410 novos casos e 11 mortes confirmadas no Estado
29/10/2020 12:02 - Glaucea Vaccari


Mato Grosso do Sul teve 410 casos e 11 mortes por Covid-19 confirmadas nas últimas 24 horas. Secretaria Estadual de Saúde (SES) reforça preocupação com possível aumento de casos devido ao feriado prolongado de Finados.

Números têm apresentado oscilação nas últimas semanas, com queda em um dia e aumento no outro, o que indica, segundo a secretária adjunta de Saúde, Christine Maymone que o Estado está em instabilidade e que “a pandemia não acabou”.

Com o feriado de Finados, celebrado no dia 2 de novembro, emendando no fim de semana, preocupação é com aglomerações.

Secretário de Saúde, Geraldo Resende, pediu atenção redobrada da população, para que a curva não volte a subir e apresente casos expressivos nos 14 dias subsequentes do feriadão.

“A taxa de letalidade não diminui, continua em 1,9%”, disse, ressaltando que o índice é alto.

“Casos aumentando, temos letalidade alta e feriado que se aproxima. Você pode ser um agente transformador da sua vida e não se colocar em risco, nós precisamos de você, principalmente neste feriado agora”, reforçou Christine.  

Média móvel de casos confirmados é de 390 por dia. “É um número bastante expressivo para um estado da dimensão da nossa população. Países que tem população similar a nossa tomam medidas mais duras quando tem casos menores do que o registrado no Mato Grosso do Sul”, disse Resende.

Das 11 mortes, cinco ocorreram em Campo Grande, duas em Coxim, e uma em Bandeirantes, Jardim, Ladário, Ponta Porã.

Vítimas tinham idades entre 40 e 108 anos, sendo apenas duas sem comorbidades e fatores de risco.  

Covid-19 já foi a causa da morte de 1.581 pessoas no Estado desde o início da pandemia. 

Também há 81.443 confirmações no total, sendo 75.987 já recuperados, 3.572 em isolamento social e 303 internados.

 
 

Felpuda


Comentários ouvidos pela “rádio peão”, em ondas curtas, são de que figurinha só ganharia apoio dos colegas caso pessoa agregada fosse “curtir a aposentadoria” de uma vez por todas. Como seu acordo político acabou naufragando nesta campanha, agora dito-cujo estaria querendo recuar e não ceder o lugar. 

Isso até poderia acontecer, se não fosse a sua, digamos, eminência parda. Afe!