Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

ALERTA

Casos de dengue sobem 10% em sete dias e MS tem 23% das mortes do país

Boletim epidemiológico desta quarta-feira mostra que Estado tem mais de 33 mil notificações
18/03/2020 18:00 - Daiany Albuquerque


 

De uma semana para outra subiu em quase 10% o número de casos notificados por dengue em Mato Grosso do Sul. Na semana passada eram 29.793 casos, já no boletim epidemiológico divulgado nesta quarta-feira (18) pela Secretaria de Estado de Saúde (SES) eram 33.014 notificações.

Além dos casos mais leves, o Estado já registro 18 mortes este ano causadas pela doença, número que representa 23,3% do total de casos no Brasil, onde 77 pessoas morreram este ano pela doença.

A maioria das mortes (quatro) aconteceram em Campo Grande, cidade que registra 6.085 notificações. Em plena pandemia do Covid-19, decretada pela Organização Mundial de Saúde (OMS), o secretário de Saúde do município, José Mauro de Castro Filho, pediu que as pessoas não se descuidem dos seus quintais.

“Neste momento as discussões estão voltadas para o coronavírus, o que é compreensível em virtude da gravidade do problema, porém não podemos esquecer da dengue que, inclusive, já matou quatro pessoas em nosso município e os índices são epidêmicos. Tanto o coronavírus quanto a dengue exigem uma coisa: prevenção. Somente desta forma vamos conseguir controlar essas doenças. É preciso deixar claro que o trabalho de combate ao mosquito Aedes aegypti, que transmite, além da dengue, também a zika e a chikungunya, não para”, declarou o titular da Secretaria Municipal de Saúde (Sesau). 

O secretário afirmou que nesta semana a secretaria iniciou os trabalhos da campanha “Mosquito Zero” na região do Segredo, em Campo Grande, com coleta de materiais que podem acumular água e a visita de agentes de endemias nas residências. “Nossas ações continuarão sendo realizadas”.

Os carros que aspergem o veneno contra o Aedes aegypti, chamados de fumacês, tem percorrido vários bairros da Capital. Na terça-feira eles passaram por ruas dos bairros Caiobá, São Conrado e Núcleo Industrial. Nesta quarta-feira o carro voltou ao Caiobá e São Conrado, mas também esteve por ruas do Novos Estados.

Felpuda


É quase certo que a aposentadoria deverá ocorrer de maneira mais rápida do que se pensava em determinado órgão. O que deveria ser a tal ordem natural dos fatos acabou sendo atropelada por acontecimentos considerados danosos para a imagem da instituição. Os dias estão passando, o cerco apertando e já é praticamente unanimidade de que a cadeira terá de ter substituto. Mas, pelo que se ouve, a escolha não deverá ser com flores e bombons de grife.