Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

SEM MOVIMENTO

Com a maioria das lojas fechadas, Centro fica deserto no feriado

Poucas pessoas saíram da quarentena para tentar pagar contas
21/04/2020 11:32 - Bruna Aquino


 

Diferente de outros feriados antes da pandemia do novo coronavírus, o centro de Campo Grande ficou deserto nesta terça-feira (21), feriado de Tiradentes, com a maioria das lojas fechadas.  O comércio foi autorizado a abrir das 9h às 19h, cumprindo medidas de biossegurança por conta da pandemia, mas não foram todos os lojistas que aderiram à abertura. 

A reportagem do Correio do Estado percorreu as ruas do centro e a principal 14 de Julho estava bastante deserta. As poucas pessoas que apareciam ali na região em busca de pagar boletos podia ser contada nos dedos. Apenas farmácias, lanchonetes,  algumas óticas e lojas de calçados abriram as portas atendendo as medidas de segurança.

Observando o vazio da rua revitalizada a pouco tempo, o comerciante Antônio José, de 51 anos, decidiu sair de casa no feriado para pagar uma conta que venceu hoje. “Em quarenta anos que eu moro aqui eu nunca vi essa rua tão deserta assim, mesmo em dias de feriado. É triste ver isso, parece que tem mais gente nos cemitérios do que aqui na 14 de julho. Acredito que depois dessa pandemia a gente vai sofrer economicamente falando”, disse. 

Considerado grupo de risco, o aposentado Ivo José de 81 anos estava a mais de uma hora sentado em frente a uma loja de departamentos. Ele mora no Jardim América  e foi a pé até o Centro para tentar pagar um boleto que já venceu há 6 dias. “Eu não estou conseguindo pagar e vi na televisão que hoje estaria aberto, mas não abriu a loja, eu sei que o fechamento é para nos proteger, mas atrapalha. Precisei vir a pé porque a prefeitura cortou o passe gratuito para idosos e agora vou ir para casa”, comentou. 

SEM MOVIMENTO
As poucas lojas que abriram neste feriado tentaram dar uma impulsionada nas vendas, mas sem muito sucesso. Funcionária de ótica que não quis ser identificada disse que o movimento neste feriado está bem fraco, mas que acredita que as vendas vão melhorar nos próximos dias. “As pessoas estavam com medo de sair de casa, mas aos poucos estão saindo, eu penso que precisa abrir sim o comércio, as pessoas precisam trabalhar porque as contas não esperam a quarentena. Acredito sim que vai melhorar daqui para frente”, contou. 

A funcionária destacou ao Correio do Estado que a prefeitura além de focar na  segurança contra a pandemia no comércio, não pode esquecer da segurança das pessoas devido o aumento de usuários de drogas na região. “Não temos segurança aqui, não tem policiais militares nas ruas, as pessoas têm medo, o centro está lindo, mas sem segurança não resolve nada, principalmente na pandemia”, finalizou.

 

Felpuda


Lideranças de alguns partidos estão fazendo esforço da-que-les para fechar chapa com o número exigido por lei de 30% do total de vagas para as mulheres. Uma dessas legendas, por exemplo, tenta mostrar a “felicidade” das suas pré-candidatas, mas teme o fracasso, tendo em vista que o “chefe maior” é aquele que já mandou mulheres calarem a boca e disse também que a importância da sua então esposa na campanha eleitoral era porque apenas “dormia com ele”. Ô louco!