Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

ALERTA

Tereré pode ser mais grave que ir em boate, diz ministro da Saúde sobre coronavírus

Mandetta também alertou sobre o narguilé : "é um veneno"
14/03/2020 20:12 - Yarima Mecchi


O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, está em Campo Grande e em entrevista exclusiva ao Correio do Estado alertou que as rodas de tereré e de chimarrão podem ser mais graves para a transmissão do novo Coronavírus (Covid-19) do que estar em locais fechados onde esteve uma pessoa contaminada.

Mandetta se referia ao caso da estudante Thayany Silva, que esteve em festa de formatura na casa noturna Valley, em Campo Grande, na noite da última quarta-feira (11). A jovem recebeu o resultado do exame neste sábado (14) com a confirmação do diagnóstico.  

O ministro destacou que apenas nesta tarde viu ao menos seis rodas de tereré. “A gente está falando para não passar coisa de boca em boca, hoje em Campo Grande eu vi pelo menos umas seis rodas de tereré. Talvez o tereré seja muito mais grave do que o cara ter ficado dentro da boate”, destacou o ministro.

Mandetta alertou que deve ser evitada aglomerações e aqueles que estavam no mesmo local não precisam procurar imediatamente uma unidade de saúde, mas ficar atentos a sintomas e evitar contato.

“Assim que começam as coisas, as pessoas se aglomeram. Os jovens não têm muita consequência nessa época da vida, eles vão a boates e é um ambiente fechado e aglomerado. As pessoas ficam, beijam um, dois, três. E as vezes vezes esses locais podem ser locais que alimentam (a transmissão do vírus). Campo Grande pode ter 4, 8, 10, 15 casos e agora o indivíduo que estava lá dentro tem que sair correndo? Não, ele deve saber que estava no ambiente. Evitar contato. O problema é que as pessoas além de não se protegerem e irem para boate, se aglomeraram, tomam tereré”.

Outro ponto que o ministro destacou é o narguilé ou arguile, também comum na cidade. “Parem, nada que seja compartilhado. Narguilé é um veneno, além de fazer mal para o pulmão, compartilhar o bico daquilo é pagar para contaminar. Parar e largar mão, não deve ser usado”.

De acordo com Mandetta se não houver mudança de hábito pode ter um colapso na rede de saúde. Ele destaca que em muitos casos a doença será leve, mas há índices que preocupam. “E daqui a pouco se tiver epidemia não sabe mais se foi na farmácia, na boate, na fila do banco, simplesmente amanhece resfriado. Para 85% das pessoas será um resfriado que vai passar por ele muito bem, agora 15% vão ter complicação. O problema é que quanto mais as pessoas ficarem agrupadas, tocando boate, tocando festa, beijo, tereré, vida que segue, maior vai ser o período epidêmico. Maior vai ser a quantidade de pessoas que pegarão gripe ao mesmo tempo. E consequentemente um número grande de pessoas que vão ao hospital e consequentemente os hospitais não aguentam atender todo mundo ao mesmo tempo, e o sistema de saúde então entra em colapso”.

Casos

Mato Grosso do Sul tem dois casos confirmados de coronavírus. A informação consta em nota da Secretaria Estadual de Saúde emitida neste sábado. Outras 29 suspeitas da doença já foram descartadas pelas autoridades.

 
 

Felpuda


É quase certo que a aposentadoria deverá ocorrer de maneira mais rápida do que se pensava em determinado órgão. O que deveria ser a tal ordem natural dos fatos acabou sendo atropelada por acontecimentos considerados danosos para a imagem da instituição. Os dias estão passando, o cerco apertando e já é praticamente unanimidade de que a cadeira terá de ter substituto. Mas, pelo que se ouve, a escolha não deverá ser com flores e bombons de grife.