Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

TEMPO

Chuva ainda não acabou e já bateu um quarto do previsto no mês na Capital

Até as 9h40 foi registrada queda de 25,5 milímetros de água
12/05/2020 10:21 - Ricardo Campos Jr


 

A chuva que atinge Campo Grande deste a madrugada desta terça-feira (12) corresponde a pouco mais de um quarto de toda a precipitação prevista em maio. O meteorologista Natálio Abrão, da estação Uniderp, afirma que até as 9h40 havia registrado queda de 25,5 milímetros de água.

O tempo virou graças aos efeitos de uma frente fria que atua nas regiões sul, sudoeste e oeste de Mato Grosso do Sul, que “amanhã vai tomar conta do Estado, sem muito frio”, afirma o especialista.

Somando o volume que a Capital registrou durante a chuva da semana passada, já foram 43,2 milímetros de precipitação, quase metade dos 90 milímetros ainda por vir até o dia 31 deste mês.

INTERIOR

Existem cidades com volumes ainda maiores de chuva, segundo Abrão. Amambai, por exemplo, acumula 48,2 milímetros. Os termômetros na cidade chegaram a marcar 19°C com registro de nevoeiro pela manhã.

Já em Aral Moreira foram 22 milímetros de precipitação com ventos de 45 quilômetros por hora.

Em Miranda, segundo o meteorologista, há o registro de enxurradas graças aos 31,2 milímetros de chuva que caíram até o momento naquele município. Em Ponta Porã houve nevoeiro durante a manhã quando o temporal enfraqueceu. O município fronteiriço chegou a ter ventania de 40 quilômetros por hora e mínima de 19,3°C.

Maracaju chegou a ter enchentes em alguns pontos, conforme Abrão. Por lá foram 34 milímetros de precipitação. A tempestade deu lugar a um chuvisco por volta das 9h40.

Corumbá teve chuva fraca a noite toda. Amanheceu com céu nublado e soma 6 milímetros de precipitação. O mesmo aconteceu com Iguatemi, que já teve 3 milímetros de chuva.

 

Felpuda


Alguns pré-candidatos que estão de olho em uma cadeira de vereador vêm apostando apenas nas redes sociais, esperançosos na conquistados votos suficientes para se elegerem. A maioria pede apoio financeiro para continuar mantendo suas respectivas páginas, frisando que não aceita dinheiro público ou de político, fazendo com que alguns se lembrem daquela famosa marchinha de carnaval: “Ei, você aí, me dá um dinheiro aí, me dá um dinheiro aí...”. Como diria vovó: “Essa gente perdeu o rumo e o prumo”.