Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

TOQUE DE RECOLHER

Com drone, Guarda Municipal encontra 13 comércios abertos durante a noite

Foi cumprido o toque nas sete regiões da Capital, nenhum abordado apresentou resistência
25/03/2020 11:32 - Camila Andrade Zanin


 

A Operação Toque de Recolher segue mais um dia pelas ruas de Campo Grande. Na noite de ontem (24), a Guarda Civil Metropolitana (GCM) fechou 13 estabelecimentos comerciais nas sete regiões de Campo Grande. A GCM utilizou de drone para auxiliar na ação. Foram 55 agentes, 12 veículos de quatro rodas, e 14 de duas rodas, que totalizou 26 viaturas. 

Foi informado pela assessoria da GCM que 13 estabelecimentos comerciais foram orientados a fecharem as portas e encerrar o atendimento durante a noite, sendo que nenhum deles apresentou resistência. Ao todo 26 indivíduos foram abordados, sem necessidade de encaminhamento à delegacia, os guardas somente passaram a orientação quanto ao cumprimento do decreto e a situação foi resolvida.

Houveram também oito denúncias para averiguar supostas aglomerações. Sem alterações durante as abordagens e orientações passadas pelas equipes da CGM , não houve resistência das partes e as pessoas acataram as ordens.

A primeira fiscalização, contabilizou 33 comércios fechados. No total, Polícia Militar e GCM (Guarda Civil Metropolitana) encontraram 310 pessoas na rua ontem, depois do toque de recolher, medida de enfrentamento à pandemia do novo coronavírus.  

Até o dia 5 de abril, ninguém pode estar fora de casa após 22h.  De acordo com decreto, está proibida a saída de casa entre 22h e 5h. Caso seja flagrada alguma situação contrária é necessário realizar denúncia pelo número (67) 3314-9955. A Guarda Municipal recebe ligações pelo 153.  

 
DRONE da GCM mostrando ruas da cidade - Assessoria, DRONE GCM
 
 

Felpuda


Alguns pré-candidatos que estão de olho em uma cadeira de vereador vêm apostando apenas nas redes sociais, esperançosos na conquistados votos suficientes para se elegerem. A maioria pede apoio financeiro para continuar mantendo suas respectivas páginas, frisando que não aceita dinheiro público ou de político, fazendo com que alguns se lembrem daquela famosa marchinha de carnaval: “Ei, você aí, me dá um dinheiro aí, me dá um dinheiro aí...”. Como diria vovó: “Essa gente perdeu o rumo e o prumo”.