Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

SAÚDE PÚBLICA

Com falta de medicamento, Santa Casa restringe atendimento no Pronto-socorro

Hospital afirmou que tem estoques baixos de anestésicos e relaxantes musculares, usado para pacientes entubados
28/08/2020 17:31 - Daiany Albuquerque


A Santa Casa de Campo Grande informou na tarde desta sexta-feira (29) que suspendeu as cirurgias e restringiu do atendimento no Pronto-socorro aos casos de urgência e emergência devido à falta de medicamentos utilizados no chamado kit entubação.

De acordo com o hospital, a entidade está tendo dificuldades em manter os estoques adequados de materiais e medicamentos, “estando esses em níveis críticos”, informou por meio de nota.

Para evitar que haja “desassistência intra-hospitalar” a diretoria decidiu suspender os procedimentos cirúrgicos que não representem risco imediato de vida ou de função aos pacientes e restringir o atendimento no Pronto-socorro aos casos de urgência e emergência.

“O consumo desses estoques se elevou exponencialmente nos últimos meses, desde que a instituição passou a atuar como hospital retaguarda, diante da necessidade de atendimento aos pacientes graves provenientes dos outros hospitais da rede SUS [Sistema Único de Saúde], principalmente do Hospital Regional, que restringiu a assistência aos casos da Covid-19”, diz trecho da nota.

Ainda conforme o hospital, a diretoria técnica da unidade já informou aos órgãos competentes de Saúde sobre as restrições de atendimento e se comprometeu a assistir os pacientes com necessidades emergenciais. “

No entanto, assim que os quadros clínicos estiverem estabilizados, os pacientes deverão necessariamente ser transferidos para outros locais de atendimento para a continuidade do tratamento, conforme normativas vigentes”.

 
 

Felpuda


A lista do Tribunal de Contas de MS, com nomes de gestores que tiveram reprovados os balanços financeiros de quando exerceram cargos públicos, está deixando muitos candidatos de cabeça quente.  Conforme previsto pelo Diálogo, adversários estão se utilizando de tais dados para cobrar, principalmente nas redes sociais, deixando alguns gestores na maior saia justa e tendo que se explicar. O eleitor, por enquanto, só observa. E dê-lhe!