Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

CORONAVÍRUS

Com lugar marcado e máscara, igrejas voltam com missas na Capital

Paróquias adotaram medidas de segurança e pedem que idosos fiquem em casa
26/04/2020 09:30 - Naiane Mesquita


 

As igrejas católicas de Campo Grande retomaram as missas presenciais neste final de semana. Entre as medidas de segurança adotadas estão a restrição de permanência no local de idosos e pessoas que integram o grupo de risco para o novo coronavírus (Covid-19), além de uso de máscaras e álcool em gel. 

Na Paróquia São José, localizada na região Central de Campo Grande e uma das maiores da cidade, a missa ocorreu com a presença de poucos fiéis. De acordo com o coordenador de pastoral da igreja, Bruno Cilião, as medidas de segurança foram recomendadas pela Arquidiocese de Campo Grande. “Grupo de risco, como crianças de até 12 anos e idosos com mais 60 anos, são orientados que fiquem em casa todos os dias. As missas continuam com transmissão ao vivo pelo Youtube para que eles acompanhem”, explica.

Durante a semana as missas ocorrem às 6h15 e 18 horas. Enquanto no domingo, os horários são às 6h15, 7h30, 9h, 16h30 e 18 horas. 

 
 

Marcações de assentos

Na Igreja Nossa Senhora da Conceição Aparecida, no bairro Planalto, os fiéis precisaram agendar a participação na missa com antecedência e a entrada só foi permitida com o uso de máscara adequada para evitar a transmissão do vírus, como as de pano. “Os bancos da igreja também foram marcados com antecedência e respeitando a distância recomendada. Em um banco que cabe normalmente seis pessoas, apenas duas se sentaram”, explica Patrícia Helena Rodrigues Freire, membro da liturgia da Igreja. 

A Paróquia também continua com as transmissões on-line para fiéis que se enquadram no grupo de risco. “No início seriam feitas duas missas, uma dentro da igreja e outra no salão, mas não teve muita gente agendando, então não precisou. Muitas pessoas ainda estão com medo e há muitos idosos entre os fiéis”, ressalta Patrícia. 

Os fiéis da Paróquia Cristo Rei, no bairro Coophavilla, também retornaram as atividades dominicais. Segundo o padre John Paul, há uma equipe na acolhida repassando as orientações de higiene necessárias para evitar a transmissão da Covid-19. “Orientando a passar álcool em gel, ao comportamento necessário dentro da igreja, como o uso de máscara e respeitando o distanciamento do outro”, ressalta.

Idosos e crianças também não foram permitidos na missa. “Quem está com alguma doença ou sentindo dores e febre deve permanecer em casa, não estamos permitindo na igreja”, frisa.

Decreto

O decreto 14.219, da Prefeitura Municipal, autorizou o retorno das atividades religiosas dentro das igrejas, que poderão ser realizadas entre 6 da manhã e às 18h30, em Campo Grande. Cultos, missas e outras manifestações estavam vetadas como parte da estratégia para evitar aglomerações e a disseminação do novo coronavírus (COVID-19).

As normas para a realização de missas incluem a higienização, restrição do acesso à pessoa do grupo de risco, além da ocupação ser limitada a uma pessoa por metro quadro no espaço de uso público, com distanciamento mínimo de 1,5 metro entre um e outro frequentador.

O decreto proíbe a participação nas manifestações religiosas dentro das igrejas de pessoas que se enquadrem nos grupos de maior risco ao novo coronavírus (COVID-19);  portadores de doenças cardiovasculares ou pulmonares; tenham imunodeficiência de qualquer espécie; transplantados; maiores de 60 anos e  gestantes.

Para receber os fiéis, as igrejas devem ser higienizadas, antes e depois de cada utilização; oferecer de forma permanente produtos para higienização das mãos, com água e sabão e, se possível, álcool 70º;  se possível, realizar a aferição de temperatura corporal na entrada do estabelecimento, mediante utilização de termômetro infravermelho. Deve ser barrada a entrada daqueles que estiverem em estado febril.  Será obrigatório manter os locais arejados, com todas as janelas e portas abertas, além da fixação de cartazes informativos e educativos para prevenção da disseminação do novo coronavírus (COVID-19).

 

 

Felpuda


Devidamente identificadas as figurinhas que agiram “na sombra” em clara tentativa de prejudicar cabeça coroada. Neste segundo semestre, os primeiros sinais começarão a ser notados como reação e “troco” de quem foi atingido. Nos bastidores, o que se ouve é que haverá choro e ranger de dentes e que quem pretendia avançar encontrará tantos, mas tantos empecilhos, que recuar será sua única opção na jornada política. Como diz o dito popular: “Quem muito quer...”.