Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

CAPITAL

Terraplanagem marca nova etapa para abertura de nova via de acesso à universidade

Projeto prevê ainda recapeamento de trecho de 700 metros da Avenida Tamandaré
02/08/2020 15:16 - Adriel Mattos


A prefeitura de Campo Grande iniciou a terraplanagem nos 820 metros finais da Rua Marechal Câmara, entre as ruas São Basílio e São Maximiliano, via que servirá de terceiro acesso para a Universidade Católica Dom Bosco (UCDB).

Atualmente, os 10 mil alunos da instituição têm duas opções para chegar ao campus, pela Avenida Tamandaré ou pela Rua Cardeal Arcoverde.

Foi necessário limpar o traçado da via, realocando as redes de esgoto e energia elétrica e parte do cercamento de uma área.  

O projeto contempla 100 metros de asfalto que conclui a pavimentação da Rua São Faustino. Esta rua começa no final da Marechal Câmara, margeia o campus da universidade, se estende até a Avenida Tamandaré e foi recapeada há três anos.

Segundo a Agência Municipal de Transporte e Trânsito (Agetran), como é uma rua estreita (7,5 metros de largura) a Marechal Câmara deve ser usada principalmente para chegar à UCDB por quem mora nesta região do Jardim Seminário.

 
 

Quando foram retomadas as obras do projeto Seminário Etapa A, foi concluída a travessia sobre o Córrego Seminário e asfaltado o trecho entre a Tenente Lira e São Basílio e parte da São Justino.  

A obra parou porque a empreiteira vencedora da licitação (feita em 2014) pediu rescisão de contrato.

Nesta última etapa, será recapeado um trecho de 700 metros da Avenida Tamandaré (entre a Presidente Roosevelt e a Rua Lateral) que ainda não recebeu novo pavimento. O restante da avenida, desde a Júlio de Castilho, foi recapeado ano passado.

Também serão recapeadas as ruas do Seminário e a Avenida Padre João Falco. Vão receber asfalto as ruas Theodomiro Serra, Seriema, Araras, Luisa Ribeiro, Bem Te Vi, Doutor Laureano 2 de Outubro.

 

Felpuda


Figurinha carimbada ganhou o apelido de “biruta”, instrumento que indica direção do vento e, por isso, muda constantemente. Dizem que a boa vontade até existente ficou no passado, e as reclamações são muitas, mas muitas mesmo, diante das decisões que vem tomando a cada mudança de humor do eleitorado. Como bem escreveu o poetinha Vinicius de Moraes: “Se foi pra desfazer, por que é que fez?”.